Em Luanda o ‘réveillon’ chega aos 635 euros por pessoa

As unidades hoteleiras de Luanda estão a propor festas de fim de ano com preços por pessoa que variam entre os 230 e os 635 euros.

É o caso do hotel “Epic Sana”, no centro da capital angolana, que promove no último dia de 2017 duas diferentes festas de “réveillon”, entre as 19:30 e as 02:00, com diferentes preços. Nesta unidade de cinco estrelas, a festa mais cara fica por 125.000 kwanzas (635 euros) por pessoa, já com direito a uma garrafa de champanhe e serviços de “babysitting”.

Já para fazer a festa de passagem de ano com direito a alojamento para duas pessoas em “suite master” pode custar até 620.000 kwanzas (3.150 euros), incluindo, anuncia o hotel, tratamento VIP no quarto à chegada e uma noite de gala.

Enquanto outros hotéis no centro da cidade de Luanda descartam festas de fim de ano, como o hotel “Beu Mar”, no bairro Benfica, arredores do centro da capital angolana, promove o “Sukara Réveillon”, com música ao vivo. Inclui ainda buffet, rodízio, bar aberto e um festival de fogo-de-artifício, além da piscina ou não fosse dezembro o pico do calor em Luanda.

Neste caso, uma festa de passagem de ano pode custar 45.000 kwanzas (230 euros) por pessoa, mas somando o alojamento a conta pode subir até aos 100.000 kwanzas (500 euros). Além da época festiva, estes preços não são alheios ao facto de a capital angolana ser uma das cidades mais caras do mundo.

Luanda voltou ao primeiro lugar da lista das capitais mais caras do mundo para trabalhadores expatriados, destronando Hong Kong, segundo o estudo da Global Mercer sobre o custo de vida em 2017, divulgado em junho.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

“Jogo Económico”. “Não acredito que vamos banir a violência no futebol”, defende especialista

Vêm aí novas leis destinadas ao combate da violência no desporto e nesta edição, vamos conhecer ao detalhe as medidas que estão a ser preparadas para o Governo e perceber se se adequam à realidade do fenómeno em Portugal. Daniel Seabra, antropólogo e professor universitário com obra publicada sobre o fenómeno das claques em Portugal, foi o convidado da última edição do “Jogo Económico”.

Duzentos trabalhadores dos Transportes de Coimbra manifestam-se contra eventual internalização

Cerca de 200 trabalhadores dos Serviços Municipalizados dos Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) concentraram-se hoje na antiga Igreja do Convento São Francisco, naquela cidade, onde vai decorrer uma sessão da Assembleia Municipal, na qual será votada a internalização daquele serviço.
Comentários