“Em momento algum foi arguida ou acusada”. Ministra da Agricultura defende Carla Alves

A ministra da Agricultura admite que sabia do processo do marido de Carla Alves, mas garante que só soube de contas arrestadas depois da tomada de posse.

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, defendeu a ex-secretária de Estado Carla Alves no Parlamento e destacou que “em momento nenhum foi arguida, em momento ela foi acusada e a informação que nos deram era esta e foi com base nisso”.

Durante debate, Maria do Céu Antunes disse que o currículo de Carla Alves “garantia a continuidade das políticas” que já vinham a ser implementadas na pasta da Agricultura.

Currículos à parte, a governante assegurou que sentiu necessidade de perguntar a Carla Alves “se tinha condições para assumir o lugar” até por esta ser “uma pessoa que vive no norte do país em Trás-os-Montes, tem uma vida pessoal e familiar que tem implicações grandes do ponto de vista até da própria logística”.

Nesse embalo, aproveitou e questionou Carla Alves sobre se tinha algum processo. “Ao qual a engenheira me deu conta de que não tinha nenhum processo”, mas admitiu que “havia um processo sim que envolvia o marido do seu tempo de autarca, mas que não tinha implicações com ela própria”.

Como tal, a governante diz que tendo em conta as explicações apresentadas, entendeu “que [Carla Alves] tinha as condições para assumir o lugar e foi nesse sentido que a propus para assumir as funções de secretária de Estado”.

No entanto, depois da tomada de posse de Carla Alves enquanto secretária de Estado da Agricultura, Maria do Céu Antunes recordou que foi confrontada por um “órgão de comunicação social ” que “falava sobre o processo do marido, que falava sobre as contas arrestadas do marido”.

“Nós perguntamos e mais uma vez aquilo que nos foi dito é que é um processo do marido e soubemos então que havia uma conta conjunta onde o casal depositava os seus vencimentos e que essa conta tinha tudo declarado”, referiu.

A 6 de janeiro, a recém-empossada secretária de Estado da Agricultura, Carla Alves, demitiu-se do cargo por entender não ter condições políticas e pessoais para iniciar funções, devido à polémica causada pela investigação ao marido, o ex-presidente da Câmara de Vinhais, Américo Pereira.

Relacionadas

Ministra da Agricultura ouvida hoje na AR para esclarecer polémica Carla Alves

No final da semana passada, Maria do Céu Antunes reiterou desconhecer qualquer processo judicial que envolvesse Carla Alves.

Ministra da Agricultura diz que não tinha conhecimento de processos judiciais que envolviam Carla Alves

A governante recusou-se a responder a mais perguntas e disse que prestará esclarecimentos na audição de quarta-feira sobre Carla Alves.

Ministra da Agricultura quarta-feira no parlamento para audição sobre Carla Alves

A ministra da Agricultura vai prestar esclarecimentos na quarta-feira de manhã, na Assembleia da República, sobre a polémica que envolveu a nomeação e posterior demissão da sua ex-secretária de Estado Carla Alves.

Parlamento aprova audição da ministra da Agricultura

O parlamento aprovou hoje a audição da ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, depois da polémica envolvendo a ex-secretária de Estado da Agricultura Carla Alves, que se demitiu depois da notícia do arresto de várias contas bancárias.

Alexandra Leitão afirma que ex-secretária de Estado do Turismo viola frontalmente a lei (com áudio)

Esta posição foi transmitida pela ex-ministra socialista no programa “Princípio da Incerteza”, transmitido na CNN/Portugal e TSF, durante o qual também fez um rasgado elogio à atuação da ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes.

“É um festival de demissões. Um Governo que parece estar em decomposição”, refere Marques Mendes (com áudio)

O comentador político considera que António Costa não está a saber lidar com a maioria absoluta que recebeu do povo português. “Se esta degradação continua, acho que vai ser difícil o Governo chegar a 2026”, afirma.
Recomendadas

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.

Catarina Martins contra “Estado pessoa de bem” apenas para a “elite do privilégio”

“Não posso deixar de assinalar a frase muito infeliz do ministro João Galamba ao dizer que, como o Estado é uma pessoa de bem, teria de manter os prémios milionários na TAP”, criticou, em declarações aos jornalistas, Catarina Martins.

Convenção Nacional do BE marcada para 27 e 28 de maio em Lisboa

No rescaldo dos maus resultados eleitorais das últimas legislativas, nas quais o BE deixou de ser a terceira força política, perdeu metade dos votos e ficou reduzido a cinco deputados, a oposição interna chegou a pedir a antecipação da convenção nacional, mas esta vai ter o seu calendário habitual, ou seja, realiza-se com dois anos de intervalo.
Comentários