Em Portugal há 11 concelhos onde comprar casa custa menos de 500 euros\m2

Em sentido inverso, Lisboa continua a ser o concelho mais caro do país para comprar casa, com um valor de cinco mil euros\m2.

Em Portugal há 11 concelhos onde comprar casa custa menos de 500 euros\m2. Estes 11 municípios constam de uma lista dos 25 mais baratos para adquirir habitação no país, num estudo divulgado pelo ‘idealista’ esta segunda-feira, 25 de julho.

A liderar este ranking surge o concelho de Penamacor, no distrito de Castelo Branco, onde o m2 custa em média 399 euros. Seguem-se Nisa, em Portalegre (427 euros/m2), Figueira de Castelo Rodrigo, na Guarda (428 euros/m2), Crato, em Portalegre (431 euros/m2), Sabugal, na Guarda (442 euros/m2), Penacova, em Coimbra (448 euros/m2), Góis, Coimbra (459 euros/m2), Gavião, em Portalegre (466 euros/m2), Tondela, em Viseu (480 euros/m2), Celorico da Beira, na Guarda (485 euros/m2) e Fronteira, em Portalegre (486 euros/m2).

Com valores abaixo dos 600 euros\m2 aparecem os municípios de Arganil, em Coimbra (504 euros/m2), Sever do Vouga, em Aveiro (508 euros/m2), Carregal do Sal, em Viseu (513 euros/m2), Castro Daire, em Viseu (516 euros/m2), Vouzela, em Viseu (520 euros/m2) e Santa Comba Dão, em Viseu (521 euros/m2), Proença-a-Nova, em Castelo Branco (527 euros/m2), Sousel, em Portalegre (529 euros/m2), Mação, em Santarém (532 euros/m2), Vidigueira, em Beja (532 euros/m2), Idanha-a-Nova, em Castelo Branco (533 euros/m2), Alcanena, em Santarém (534 euros/m2) Alvaiázere, em Leiria (536 euros/m2) e Figueiró dos Vinhos, em Leiria (544 euros\m2).

Em sentido inverso, Lisboa continua a ser o concelho mais caro do país para comprar casa, com um valor de cinco mil euros\m2, seguida por Cascais (4.116 euros/m2), Grândola (3.824 euros/m2), Loulé (3.369 euros/m2), Oeiras (3.262 euros/m2) e Lagos (3.220 euros/m2).

Recomendadas

Procura de casa subiu 7,5% em Lisboa e desceu 5,6% no Porto no primeiro semestre

No entanto, as duas regiões continuam a ser as mais procuradas do país para encontrar casa. Lisboa lidera, representando 23,5% seguida pelo Porto, com 18,3% do total da procura, com um peso global de 42%.

Preços das casas aumentaram 10,9% no primeiro semestre

Este valor representa um crescimento homólogo de 17,6%. Em Lisboa, os preços das casas registam uma subida semestral de 3,6% e homóloga de 10,6%. Já no Porto, as subidas foram de 11,1% e 19,6%, respetivamente.

INE: custos de construção de habitação nova sobem 13%

O INE dá conta de uma subida de 17,2% dos preços dos materiais em termos homólogos, não obstante a desaceleração de 1,6 p.p. face ao mês anterior; quanto ao custo da mão de obra, registou-se um aumentou 6,9% do mesmo em junho, uma subida de mais de 0,5 p.p face ao registado no mês anterior.
Comentários