Em tour! Orçamento faz-se à estrada em novembro

Na próxima semana o Governo vai para a ´estrada’ para falar do Orçamento do Estado (OE) para 2015 em todos os distritos, numa iniciativa que contará também com a presença do primeiro-ministro logo na segunda-feira, em Lisboa. De acordo com informações do PSD, a iniciativa “Jornadas OE2015” arranca no dia 3 de novembro, com uma […]

Na próxima semana o Governo vai para a ´estrada’ para falar do Orçamento do Estado (OE) para 2015 em todos os distritos, numa iniciativa que contará também com a presença do primeiro-ministro logo na segunda-feira, em Lisboa.

De acordo com informações do PSD, a iniciativa “Jornadas OE2015” arranca no dia 3 de novembro, com uma sessão que contará com a participação de Pedro Passos Coelho, na Área Metropolitana de Lisboa, às 21h00.

Ainda na segunda-feira, no Cadaval estará o ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, enquanto o ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, estará em Viana do Castelo.

Na ´jornada’ do distrito de Bragança, em Macedo de Cavaleiros, estará presente o secretário de Estado da Administração Local, António Leitão Amaro.

No dia 4 de novembro irão realizar-se mais três sessões, com o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, no distrito de Santarém, o ministro da Educação, Nuno Crato, em Valpaços, no distrito de Vila Real, e o secretário de Estado Adjunto do ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Pedro Lomba, no distrito de Castelo Branco.

O secretário de Estado Adjunto e do Orçamento, Hélder Reis, estará em Setúbal no dia 5 de novembro. No mesmo dia, o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, irá ao distrito de Coimbra, enquanto o secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Castro Almeida, estará em Beja.

Na quinta-feira, dia 6 de novembro, três ministros estarão na ´estrada’, com a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, no distrito de Évora, o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, no distrito de Leiria, e o ministro da Saúde, Paulo Macedo, no distrito da Guarda.

No dia 7 de novembro, as ´jornadas’ irão apenas contar com a presença de secretários de Estado, com Octávio Oliveira (Emprego) no distrito de Viseu, Sérgio Monteiro (Infraestruturas, Transportes e Comunicações) no distrito de Portalegre e Fernando Leal da Costa (Adjunto do Ministro da Saúde) no distrito de Faro.

No último dia da iniciativa, 8 de novembro, o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar Branco, estará no distrito de Braga, enquanto a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, estará no distrito de Aveiro.

Nesse dia irá ainda realizar-se a ‘jornada’ no distrito do Porto, embora ainda sem confirmação sobre que membro do Governo estará presente.

Todas as sessões das “Jornadas OE 2015” terão início às 21:00, à excepção da iniciativa onde participará o ministro da Defesa, que tem início marcado para as 15h00 e a sessão do Porto, que começará às 17h00.

A primeira parte da iniciativa será aberta à comunicação social, com intervenções do membro do Governo presente, do presidente da distrital e da comissão política nacional. A segunda parte, reservado a um período de perguntas e respostas, será fechado à imprensa.

Os ministros do CDS-PP não participam nesta iniciativa social-democrata.

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.