PRR e resposta à pandemia são prioridades do TdC para 2022 (com áudio)

Tribunal de Contas prevê realizar 129 auditorias em 2022, assim como emitir os pareceres sobre as contas da Assembleia da República e das Assembleias Legislativas das Regiões Autónomas, bem como efetuar a verificação interna das contas de 658 contas entidades públicas.

O Tribunal de Contas (TdC) aprovou o plano de ação para 2022, que inclui auditorias no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência e do novo quadro financeiro plurianual, bem como ações de controlo sobre o acompanhamento da resposta à pandemia, apostando também numa estratégia de transformação digital e da desmaterialização de procedimentos.

“Terminando um ciclo estratégico de três anos (2020-2022), profundamente marcado pela pandemia de Covid-19 e suas repercussões, o Plano de Ação para 2022 foi igualmente aprovado ainda numa conjuntura de incerteza e imprevisibilidade quanto à evolução da pandemia e, consequentemente, quanto à influência que a mesma tem nos setores económico, financeiro e social”, pode ler-se no plano de ação para 2022, divulgado esta terça-feira.

A instituição presidida por José Tavares explica, neste sentido, que “as ações de controlo planeadas e também a programação intersectorial continuam a contemplar esta nova realidade, sem perder de vista o mandato da Instituição e as ações e tarefas recorrentes a que está obrigada”.

O TdC anuncia que tem programadas auditorias solicitadas ao Tribunal pela Assembleia da República, assim como auditorias no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência e do novo quadro financeiro plurianual.

No total, prevê realizar 129 auditorias, assim como emitir os pareceres sobre as contas da Assembleia da República e das Assembleias Legislativas das Regiões Autónomas, efetuar a verificação interna das contas de 658 contas entidades públicas, realizar 34 auditorias de apuramento de responsabilidades e realizar 16 estudos e pareceres.

Além de fiscalizar os atos e contratos que derem entrada no TdC, a instituição prevê emitir os pareceres sobre a Conta Geral do Estado de 2021, incluindo a da Segurança Social, e sobre as Contas das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira de 2021, em relação aos quais serão desenvolvidas 35 ações preparatórias.

Serão também “iniciados os trabalhos relativos ao parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2022 que, por força da alteração da Lei de Enquadramento Orçamental, será apresentado à Assembleia da República até 30 de setembro de 2023”.

“A continuação do acompanhamento ativo da entrada em funcionamento dos novos sistemas contabilísticos e da preparação para a certificação legal da Conta Geral do Estado também constam entre as prioridades”, refere ainda o plano de ação.

Assinala ainda que a cooperação internacional “continuará com uma significativa dimensão no conjunto da atividade da Instituição, podendo 2022 ser um ano com uma componente híbrida de eventos presenciais e on-line”.

“Saliente-se ainda a cada vez maior relevância da Programação Intersetorial, ou seja, aquela que recorre a várias Secções e Serviços de Apoio na sua execução, promovendo desta forma a consideração da unidade do Tribunal, enquanto Instituição de controlo externo e independente das finanças públicas do País. Os projetos constantes da Programação Intersetorial dedicam-se fundamentalmente ao desenvolvimento e melhoria de processos e modelos de gestão interna, especialmente no domínio da transformação digital e da desmaterialização de procedimentos, contemplando também ações de controlo com envolvimento de várias secções”, refere José Tavares na nota de apresentação.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.
Comentários