Pordata: Portugal é o terceiro país da UE com maior remessas de emigrantes

Os portugueses a viver lá foram enviaram para o país mais de 3,6 mil milhões de euros no ano passado, enquanto os imigrantes transferiram apenas 478 milhões de euros para os seus países de origem.

Portugal é o terceiro país da União Europeia, a seguir à Croácia (2,5%) e à Bulgária (2%), com maior peso de remessas migratórias em percentagem do PIB, ou seja, dinheiro enviado por emigrantes aos seus países de origem.

Em 2019, as remessas de emigrantes atingiram os 3.645 mil milhões de euros, o equivalem a 1,7% do PIB nacional, segundo as estimativas da Pordata, divulgadas esta sexta-feira, dia em que se assinala o Dia Internacional das Migrações.

De acordo com o documento, França (30%), Suíça (27%) e Reino Unido (10%) representam os três países onde chega atualmente o maior volume de remessas de emigrantes, o que por sua vez representam 2/3 do total de remessas analisadas. Este trio não difere muito do que se registou em 1996, ano em que os três principais países eram França, Suíça e EUA e que correspondiam a 73% do total remessas.

Fora da União Europeia, Angola é o país de onde os emigrantes mais enviam dinheiro (cerca de 7%), seguindo-lhe os Estados Unidos que enviaram, em 2019, cerca de 6% do total de remessas analisas.

Por sua vez, o dinheiro de imigrantes enviado para fora totalizou, em 2019, 478 milhões de euros, três vezes mais do que o montante atingido em 1996, e representam, nos últimos 23 anos, entre 0,1 e 0,4% do PIB.

Cerca de metade dessas remessas vai para o Brasil (50%), seguido da China (8%) e França (5%). Cabo Verde (4%). surge como o principal país africano que mais dinheiro de origem portuguesa recebe

 

Recomendadas

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.

Governo propõe reforço do IRS Jovem. Isenção sobe para 50% no primeiro ano

Jovens vão passar a ter um desconto fiscal maior, no início da sua carreira. IRS Jovem passará a prever uma isenção de 50%, em vez de 30%, no primeiro ano.

Governo quer atualizar os escalões do IRS em 5,1% em 2023

O Governo decidiu rever em alta o referencial dos aumentos salariais, puxando-o para o valor do aumento da massa salarial da Função Pública: 5,1%. Será esse o número que será usado para atualizar os escalões do IRS.
Comentários