Emirates suspende voos provenientes de Angola

Angola registou nos últimos 15 dias um aumento exponencial de casos de covid-19, com confirmação da circulação da variante Ómicron, atingindo, pela primeira vez, desde o início da pandemia, os quatro dígitos diários de casos.

Os voos de Angola para o Dubai ficam suspensos a partir desta terça-feira, informou a Emirates, companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos, devido ao aumento de casos de Covid-19 no país africano.

De acordo com uma nota, citada pela rádio pública angolana, a medida, que é extensiva à Guiné-Conacri, foi tomada pelo elevado número de passageiros provenientes de Angola, que testaram positivo para o novo coronavírus.

Nesse sentido, ficam suspensos temporariamente os voos diretos e em trânsito para aquele país.

“Os passageiros provenientes de Angola com destino ao Dubai, mesmo se escalarem outro país serão submetidos a um período de 14 dias de quarentena”, divulgou a Rádio Nacional de Angola, citando ainda uma fonte da embaixada dos Emirados Árabes Unidos em Luanda, que confirmou a medida.

Angola registou nos últimos 15 dias um aumento exponencial de casos de covid-19, com confirmação da circulação da variante Ómicron, atingindo, pela primeira vez, desde o início da pandemia, os quatro dígitos diários de casos.

Nas últimas 24 horas, o país registou 1.945 casos confirmados, quatro óbitos e 10 recuperados da doença. Por esta altura, o país apresenta um cumulativo de 73.697 casos positivos, dos quais 7.918 estão ativos, 1.753 óbitos e 64.026 recuperações.

A covid-19 provocou mais de 5,40 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Recomendadas

Primeiro-ministro são-tomense pede “unidade e convergência” para reformas do governo

“Renovamos o nosso apelo à unidade e convergência nas ações e reformas estruturantes a serem empreendidas pelo governo. A terra é nossa e a sua recuperação é nossa responsabilidade exclusiva”, afirmou Patrice Trovoada, na apresentação do programa do Governo, na Assembleia Nacional.

Cabo Verde quer museu Cesária Évora desenhado por arquiteto de “renome internacional”

“A Cesária é o nosso maior ícone. Nós continuamos a não ter Cesária no devido lugar em Cabo Verde”, afirmou hoje o ministro Abraão Vicente, considerando como “inevitável” que, nos próximos anos, o Governo cabo-verdiano “financie a construção” de “raiz” do museu dedicado à cantora (1941-2011).

Países africanos de língua portuguesa vão elaborar história da luta de libertação

“Vem para dar sentido àquilo que os combatentes da liberdade da pátria fizeram (…), queremos contar, mas, ao mesmo tempo, perspetivamos, porque a história não termina connosco e não terminou com eles”, disse, na cidade da Praia o presidente da Fundação Amílcar Cabral (FAC), Pedro Pires, que lançou a ideia de criar uma equipa para a elaboração dessa história.
Comentários