Emmanuel Macron lamenta decisão de Donald Trump em retirar as tropas da Síria

“Um aliado deve ser de confiança”, referiu o presidente francês durante uma conferência de imprensa no Chade. “Lamento profundamente a decisão tomada na Síria.”

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse este domingo que lamentou profundamente a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de retirar as tropas norte-americanas da Síria, revela a agência “Reuters”.

“Um aliado deve ser de confiança”, referiu o presidente francês durante uma entrevista coletiva no Chade. “Lamento profundamente a decisão tomada na Síria”, sublinhou Macron.

Numa mudança de política abrupta, Donald Trump anunciou na passada quarta-feira que Washington retiraria as cerca de duas mil tropas dos EUA na Síria, elevando um pilar da política americana no Médio Orient e alarmando os aliados dos EUA.

Macron destacou a importância do trabalho das Forças Democráticas da Síria, lideradas pelos curdos, que capturaram grande parte do norte e do leste da Síria do Estado Islâmico.

“Eu chamo todos … não para esquecer o que lhes devemos”, disse o líder francês.

As autoridades dos EUA justificaram a decisão dizendo que o Estado Islâmico havia sido derrotado.

 

Apesar dos EUA continuarem a manter as tropas no Iraque com a capacidade de atacar a Síria, uma retirada das forças terrestres cumpriu um objetivo importante da Síria, do Irão e da Rússia e poderia diminuir a influência dos EUA na região.

Segundo as fontes ouvidas pelos referidos meios de comunicação, a decisão terá sido tomada na terça-feira e o Pentágono está a tentar demover Trump de avançar com a retirada das tropas, argumentando que se trata de uma “traição” aos militantes curdos e que isso dificultará, no futuro, os esforços dos EUA para ganhar a confiança de combatentes locais em países como o Afeganistão, Iémen e Somália.

“Até ao momento, continuamos a trabalhar com os nossos parceiros na região”, afirmou Rob Manning, porta-voz do Pentágono, ao canal noticioso norte-americano. “Qualquer relatório que indique uma mudança na posição dos EUA com respeito à presença militar dos EUA na Síria é falso e projetado para semear confusão e caos”, disse a entidade num comunicado no início deste mês.

Cerca de dois mil soldados norte-americanos passaram os últimos meses a combater pequenas forças do Daesh que ainda resistiam. No geral, praticamente todo o noroeste sírio já se encontra livre da Estado Islâmico. Não se sabe ainda se ficarão “para trás” contingentes mais pequenos, para ajudar no processo de reconstrução.

Relacionadas

Síria: Representante dos EUA junto da coligação demite-se após decisão de Trump

Brett McGurk, representante dos Estados Unidos junto da coligação internacional que combate o grupo extremista Estado Islâmico, demitiu-se em protesto contra a decisão do Presidente Donald Trump de retirar as tropas norte-americanas da Síria.

NATO admitiu saber que EUA tencionam retirar tropas do Afeganistão

A NATO reconheceu ter tido conhecimento de relatos segundo os quais os EUA se preparam para retirar milhares de soldados do Afeganistão, mas não confirmou se foi notificada oficialmente.

Casa Branca ordena que a tropas norte-americanas sejam evacuadas da Síria nas próximas 24 horas

Cerca de dois mil soldados norte-americanos passaram os últimos meses a combater pequenas forças do Daesh que ainda resistiam. Hoje, Donald Trump confirma que o Estado Islâmico foi derrotado na Síria e ordena, assim, a retirada das tropas norte-americanas do país.
Recomendadas

Brittney Griner libertada pela Rússia em troca de prisioneiros com os EUA

A basquetebolista norte-americana estava presa desde agosto. Os norte-americanos soltaram o negociante de armas Viktor Bout, mais conhecido como “comerciante da morte”, que esteve preso nos EUA durante 12 anos.

Bruxelas quer que plataformas passem a cobrar IVA para evitar concorrência desleal

De acordo com as atuais regras de IVA, são os próprios prestadores de serviço – sejam motoristas ou donos de alojamento local – que são obrigados a coletar o IVA e a remiti-lo para as autoridades tributárias do seu país.

Alemanha e França condenam regime iraniano pela execução de manifestante

Este homem, Mohsen Shekari, “foi julgado e executado num julgamento pérfido e precipitado, porque não concordava com o regime”, declarou a chefe da diplomacia alemã, acrescentando que a ameaça de execução “não sufocará a vontade de liberdade das pessoas”.
Comentários