Emmanuel Macron recebeu príncipe herdeiro saudita em Paris

Depois de receber Joe Biden em Riad, um cada vez mais reabilitado Mohammed bin Salman foi recebido por Macron em Paris. Os preços do petróleo nos mercados mundiais não contemplam a eternização dos discursos sobre Jamal Khashogg.

O príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman – que chegou a estar ‘riscado’ da lista daqueles com quem os líderes do ocidente podiam ser fotografados em conjunto – está em Paris – depois de há dias ter recebido o presidente dos Estados Unidos na Arábia saudita – e manteve conversações com o presidente Emmanuel Macron em torno de questões de energia.

Foi este o principal tema da agenda entre ambos, referem os jornais franceses, durante um encontro que serviu, entre outras coisas, para reabilitar a diplomacia do reino saudita junto do governo francês. Mas Macron não se livrou de diversas críticas – que insistentemente recordaram que a CIA concluiu que o príncipe herdeiro foi o autor moral do assassinato e desmembramento do dissidente Jamal Khashogg no consulado saudita de Istambul.

Assessores do presidente francês citados pelos jornais indicaram antes das negociações que Macron pediria à Arábia Saudita que aumentasse a sua produção de petróleo para ajudar a reduzir os preços nos mercados internacionais, reiterando o mesmo pedido feito por Joe Biden durante uma visita a Riad no início deste mês.

Uma declaração do gabinete presidencial na sexta-feira não fazia referência explícita a petróleo ou gás, mas dizia que Macron “sublinhou a importância de continuar a coordenação contínua com a Arábia Saudita no que diz respeito à diversificação do fornecimento de energia para os países europeus”. Recorde-se que a França tentou há pouco mais de uma semana contratar fornecimento de gás natural ao Catar – que por acaso não é dos países do golfo com os quais os sauditas mantêm relações amistosas.

A Arábia Saudita é um dos poucos países do mundo com capacidade para aumentar a sua produção, sendo essa a razão que os líderes do Ocidente estão a fazer fila na fronteira para serem recebidos pelo reabilitado príncipe.

O comunicado dizia ainda que Macron e o príncipe discutiram a segurança alimentar e os temores do aumento da fome no planeta, causada pela perda da produção de cereais ucranianos e concordaram em trabalhar “para aliviar os efeitos” da guerra na Ucrânia.

“O presidente e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita destacaram a necessidade de encerrar este conflito e intensificar a sua cooperação para aliviar os efeitos na Europa, no Oriente Médio e no mundo em geral”, dizia o texto do comunicado.

Os dois líderes também discutiram a guerra no Iémen. O presidente francês elogiou o que disse serem os esforços da Arábia Saudita para “encontrar uma solução política, global e inclusiva sob a égide das Nações Unidas e expressou a sua esperança de que a trégua continue”, dizia o comunicado.

Recomendadas

Julgamento por fraude fiscal contra Trump Organization agendado para outubro

O julgamento por suposta fraude fiscal contra a Trump Organization e o seu ex-diretor financeiro Allen Weisselberg começará em 24 de outubro, decidiu esta sexta-feira um juiz de Nova Iorque, rejeitando arquivar o caso, segundo a imprensa local.

Irão aceitará Acordo Nuclear mediante compromissos

Fonte não identificada afirmou que o último relatório com propostas apresentado pela União Europeia é “aceitável”, mas com algumas garantias, nomeadamente no que tem a ver com sanções e controlo do plano nuclear.

Venezuela e Colômbia iniciam normalização das relações

Os dois países vão trocar embaixadores na tentativa de restabelecer laços que se perderam há mais de três anos e que a vitória de Gustavo Petro nas presidenciais colombianas permitiu.
Comentários