PremiumEmpresa de estiva de Lisboa à beira da falência

Estudo da consultora EY traça um futuro negro para a empresa detida pelos operadores portuários da capital e considera que a AETPL só sobreviverá se baixar os salários dos estivadores para o nível dos de Leixões. Mais contestação à vista.

A AETPL – Associação-Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa, responsável pela contratação dos estivadores que operam no porto de Lisboa, está em situação de insolvência iminente, conclui um estudo de viabilidade económico-financeira da empresa e análise de opções para o futuro, elaborado pela consultora EY, a que o Jornal Económico teve acesso. Este estudo, datado de 30 de outubro passado, já foi entregue aos diversos associados da AETPL.

A EY traçou três cenários de desenvolvimento para a empresa que contrata os estivadores para o porto de Lisboa e chegou à conclusão que, apenas num deles, a AETPL terá futuro económico-financeiro possível, desde que aplique as tabelas salariais em prática no porto de Leixões, inferiores às atualmente  xistentes no porto da capital.

Segundo o estudo da consultora, a AETPL registou um volume de faturação de 5,9 milhões de euros em 2017, tendo apresentado um EBITDA negativo de 170 mil euros, depois de ter canalizado 5,8 milhões de euros para gastos com o pessoal.  O primeiro cenário em análise pela EY pressupôs uma alteração do pricing da AETPL através do aumento de 5% das tarifas cobradas aos sócios pela prestação do serviço de trabalho.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.

NOS avança com dados móveis ilimitados nos novos cartões móveis com pagamento em fatura

“A NOS oferece dados móveis ilimitados até ao final do ano a todos os clientes com novos cartões móveis com pagamento em fatura”, refere a operadora em comunicado.
Comentários