Empresa deslocaliza fábrica de ‘tuk-tuks’ elétricos da Tailândia para Santo Tirso

A E-Tuk Factory, uma empresa dos Países Baixos que fabrica ‘tuk-tuks’ elétricos e derivados, vai deslocalizar-se da Tailândia para Santo Tirso, no distrito do Porto, num investimento superior a um milhão de euros que empregará 60 pessoas.

Nuno Miguel Silva

A E-Tuk Factory, uma empresa dos Países Baixos que fabrica ‘tuk-tuks’ elétricos e derivados, vai deslocalizar-se da Tailândia para Santo Tirso, no distrito do Porto, num investimento superior a um milhão de euros que empregará 60 pessoas.

“Se olharmos para a zona à volta do Porto, a infraestrutura já estava lá, e a boa ajuda da região ajudou-nos a decidir e apostar nesta região”, disse hoje à Lusa Maarten Lijftogt, o diretor de desenvolvimento de negócios da E-Tuk.

De acordo com o responsável, a opção de Lisboa também esteve em cima da mesa, já que a empresa conta com 600 veículos na capital, mas a escolha acabou por recair em Santo Tirso, numa fábrica com mais de seis mil metros quadrados, que será inaugurada na quinta-feira.

“Creio que o importante foi o trabalho qualificado que há no vosso país e o vosso futuro no lítio também é interessante”, adiantou o responsável.

O objetivo da empresa, segundo o diretor, é construir um veículo 100% europeu e ter a produção de volta ao continente, já que ter a fábrica na Tailândia acarretava custos elevados de transporte.

“No passado pagávamos 1.600 dólares [cerca de 1.517 euros] por um contentor, e agora paga-se 2.100 dólares [1.990 euros], portanto penso que o preço é um fator importante”, apontou o diretor da empresa, mencionando também que “se se transportar todas as partes de um veículo e os veículos, há muita poluição envolvida”.

Maarten Lijftogt referiu ainda o tempo, já que “a produção combinada com o transporte no mar demora demasiado”.

“Queremos ser diretos com os nossos clientes”, apontou, lembrando que a empresa trabalha “com muitos fornecedores portugueses”, como por exemplo a Sunviauto, a Fibrauto e a AF Azevedos, como indica um comunicado da empresa.

O texto indica também que 80% dos componentes dos veículos são atualmente europeus, “porém o objetivo é chegar a 100%, e com isso atingir um estatuto de segurança e qualidade característico de marcas e produtos ‘premium'”.

O departamento de desenvolvimento permanece nos Países Baixos e Banguecoque, capital tailandesa, será o centro de baterias para os negócios no mercado asiático.

Já a “fábrica portuguesa vai gerir a produção total dos veículos elétricos, incluindo as partes da carroçaria, a montagem das baterias e a integração com o seu sistema de telemática, estando prevista a produção de 500 unidades até ao final deste ano, 1.200 unidades em 2023 e 2.000 unidades em 2024”, refere a E-tuk Factory no comunicado.

A empresa afirma ser a primeira em Portugal “a assegurar o fabrico de ‘tuk-tuks’ elétricos juntamente com a montagem das respetivas baterias de lítio na mesma unidade de produção”.

Segundo Maarten Lijftogt, a E-tuk exporta para países como França, Alemanha, Itália e Reino Unido, sobretudo para mercado turístico, mas também já está a entrar na distribuição.

“Durante o período da covid-19 o nosso mercado esteve um pouco fechado, porque estávamos no turismo. Como tínhamos conhecimento no setor elétrico, e também nas baterias, vimos que seria importante perceber o que o mercado precisava”, apontou, lançando-se na distribução ‘last mile’, ou seja, no último ponto da cadeia.

O responsável afirmou que, em Portugal, a E-tuk tem “contactos próximos” incluindo com “empresas maiores”, não só no turismo mas também na carga.

A inauguração da fábrica está marcada para as 14h00 de quinta-feira em Santo Tirso, estando prevista a presença do presidente da Câmara de Santo Tirso, Alberto Costa, além de uma centena de convidados nacionais e internacionais.

Recomendadas

Amazon abriu uma loja física para vender roupa

A loja Amazon Style, localizada em Los Angeles, aposta em inteligência artificial e outras tecnologias para ajudar os clientes a encontrarem o que procuram.

À procura de emprego? Beevo vai contratar 30 profissionais qualificados em tecnologia

A empresa tecnológica de Braga pretende recrutar gestores de projetos, designers, engenheiros Web, especialistas em SEO/SEM e “pensadores digitais”.

Novo Banco terá de cumprir requisitos de capital e passivos elegíveis de 23,16% em 2026

A instituição bancária indicou que foi notificada pelo Banco de Portugal relativamente aos requisitos de MREL (‘Minimum Requirement for own funds and Eligible Liabilities’), em base consolidada, conforme decisão do Conselho Único de Resolução”.
Comentários