Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Uma empresa espanhola de armamento recebeu esta quarta-feira um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu, causando ferimentos ligeiros numa pessoa, disseram fontes policiais.

A Polícia Nacional foi chamada à empresa Instalaza, na cidade de Saragoça, região de Aragão (nordeste de Espanha), e fez explodir de forma controlada o artefacto que estava no envelope, disseram fontes policiais nacionais e locais, citadas por vários meios de comunicação social espanhóis.

Segundo as mesmas fontes, serão precisas mais análises por parte de peritos em explosivos para se concluir o que continha exatamente o envelope.

A Instalaza, fundada em 1943, é uma empresa que produz equipamento militar, como sistemas de lançamento de ‘rockets’, granadas de mão ou dispositivos de visão noturna.

Segundo o jornal ABC, a empresa Instalaza fabricou material que o Governo espanhol enviou para a Ucrânia, para apoiar as forças armadas ucranianas, logo após o início do ataque russo, em 24 de fevereiro.

Em março, o governo espanhol anunciou o primeiro envio de armas para a Ucrânia, que incluía 1.370 lança-granadas e 700 mil cartuchos para espingardas e metralhadoras, assim como metralhadoras leves.

Um homem ficou hoje ferido sem gravidade na embaixada da Ucrânia em Madrid devido à explosão de um artefacto que estava dentro de um envelope, segundo a Polícia Nacional de Espanha.

Fontes da polícia revelaram que o homem ferido é um funcionário da embaixada que manuseava o envelope nos jardins da reapresentação diplomática quando se deu a explosão.

Fontes citadas pela agência de notícias EFE explicaram que o envelope chegou no correio enviado para a embaixada, estava dirigido ao embaixador Serhii Pohoreltsev e não tinha ainda passado por um sistema de ‘scanner’ a que é sujeita a correspondência.

Outras fontes policiais citadas pela agência Europa Press acrescentaram que o envelope, sem remetente, continha “elementos de pirotecnia”.

O embaixador Serhii Pohoreltsev disse, em declarações aos ‘media’ ucranianos, que um funcionário da embaixada suspeitou do conteúdo do envelope pelo que o chefe de segurança se afastou para o jardim para o inspecionar antes de o passar pelo ‘scanner’ habitual.

Ao ouvir um “estalido”, o chefe de segurança soltou o envelope, que explodiu a seguir, afirmou ainda o embaixador.

As autoridades judiciais espanholas estão a avaliar como um possível crime de terrorismo este caso ocorrido na embaixada da Ucrânia em Madrid e decidiram reforçar a segurança da representação diplomática, disseram fontes oficiais.

Numa publicação nas redes sociais citada pelas agências internacionais, um porta-voz da diplomacia ucraniana revelou que o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, “fez um apelo ao seu homólogo espanhol para que sejam adotadas medidas urgentes para investigar o ataque à missão diplomática ucraniana” em Madrid.

A diplomacia de Kiev acrescentou que foram dadas instruções para ser reforçada com urgência a segurança em todas as embaixadas ucranianas no estrangeiro.

A Ucrânia foi atacada militarmente pela Rússia em 24 de fevereiro deste ano, uma ofensiva que ainda prossegue e que foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

Relacionadas

Um ferido em explosão de envelope na embaixada da Ucrânia em Madrid

Fontes da polícia citados por meios de comunicação espanhóis revelaram que o homem ferido é um funcionário da embaixada que tinha recebido o envelope que explodiu.
Recomendadas

Mercado automóvel com crescimento homólogo de 43%

Em janeiro foram matriculadas 17.455 viaturas em Portugal. No caso dos ligeiros de passageiros, o aumento homólogo é de 48,4%, ao passo que se regista uma queda de 7,3% face a 2019.

Presidente da República envia para o Tribunal Constitucional decreto sobre associações públicas profissionais

Segundo uma nota publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado “considera que o decreto da Assembleia da República suscita dúvidas relativamente ao respeito de princípios como os da igualdade e da proporcionalidade, da garantia de exercício de certos direitos, da autorregulação e democraticidade das associações profissionais, todos previstos na Constituição da República Portuguesa”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários