Empresa portuguesa conclui terminal petrolífero no Egipto

A empresa nacional de engenharia civil GRID foi responsável pela construção do tabuleiro do novo terminal de hidrocarbonetos do Egipto no Mar Vermelho, um projeto que custou 90,5 milhões de euros e que foi agora concluído.

A GRID International – Consulting Engineers, empresa de engenharia portuguesa, concluiu a sua participação no projeto do tabuleiro do Terminal Marítimo de Hidrocarbonetos no Mar Vermelho, no Egipto, cuja construção terminou agora.

A GRID, que é uma das empresas do projeto Portugal Steel da CMM, foi responsável pela construção do tabuleiro do referido terminal.

“O tabuleiro, em estrutura mista, é constituído por 83 vãos simplesmente apoiados, uma vez que era essencial conceber uma solução leve em que a maior parte das atividades de construção se pudesse realizar ‘onshore’ e que as operações de montagem e ligações, a realizar ‘offshore’, fossem o mais expeditas possível”, explica um comunicado da GRID.

A construção do terminal, em forma de ‘F’ e com cerca de três quilómetros de extensão, esteve a cargo da ‘joint-venture’ BESIX –Orascom, num projeto que custou 90.5 milhões de euros.

Para Mónica Fonseca, responsável pela comunicação da GRID International, “esta infraestrutura, localizada no Golfo de Suez, é de grande importância estratégica para a região”.

“Para a GRID, foi um projeto muito desafiante, pois dado que o mesmo foi desenvolvido com a obra já a decorrer, tendo por este facto que acompanhar o ritmo da construção, que em cinco meses e meio tinha um cais com quilómetros pronto para a atracagem dum navio”, destaca a mesma responsável.

De acordo com o referido comunicado da empresa, “este projeto vem reforçar a estratégia da GRID International em termos de futuro, que passa por uma aposta clara simultaneamente na diversificação dos mercados e na diversificação das tipologias de projetos a desenvolver”.

“A área das obras marítimas é uma das suas apostas prioritárias, que fica agora reforçada com este projeto do terminal de hidrocarbonetos”, sublinha o comunicado da GRID.

A GRID International é uma empresa portuguesa de engenharia civil, que abrange as vertentes de projeto, consultoria e assessoria técnica à fiscalização e construção de empreendimentos.

A empresa desenvolve a sua intervenção fundamentalmente no domínio da engenharia de estruturas, quer em betão, armado e/ou pré-esforçado, quer em estruturas metálicas ou mistas, com particular incidência na vertente dos projetos de estruturas especiais.

A empresa está fisicamente presente em cinco países: Portugal, França, Macau, Moçambique e Senegal.

A sua atividade no mercado nacional desenvolve-se em Portugal Continental, Açores, Madeira.

Na frente internacional, a  GRID opera ainda em diversos países, como a Bélgica,  Emiratos Árabes Unidos, França, Guiné Equatorial, Marrocos, Moçambique, Senegal, Qatar, entre outros.

A GRID faturou três milhões de euros em 2016, 70% dos quais respeitantes à atividade da empresa no mercado internacional.

Por seu turno, criado pela CMM – Associação Portuguesa da Construção Metálica e Mista em parceria com empresas de relevo no setor da construção metálica nacional, o ‘Portugal Steel’ “é um projeto que pretende fazer a promoção e divulgação do setor da construção metálica nacional, através do reconhecimento dos benefícios da construção metálica e das vantagens decorrentes de uma aposta estratégica neste setor, assim como potencializar a internacionalização da construção metálica nacional”.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Airbnb. Anfitriões em Lisboa ganharam mais de 11 milhões com a Web Summit desde 2016

O ano passado, um anfitrião típico em Lisboa ganhou em média 400 euros. Nos quatro dias do evento de tecnologia, que regressa à capital portuguesa no próximo mês, foram acolhidos 11 mil hóspedes.

TAP: Sitava diz que falta “sensibilidade e bom senso” à gestão no caso da frota de carros

O Sitava acusou hoje a TAP de falta de “sensibilidade e bom senso”, na polémica sobre a renovação dos carros para administradores, e pediu que a empresa demonstre que não tem dualidade de critérios no cumprimento de contratos.
Comentários