Empresário Mário Ferreira pode hoje tornar-se no primeiro turista espacial português

A cápsula autónoma e reutilizável New Shepard da empresa norte-americana Blue Origin, onde seguem mais cinco tripulantes, descolará hoje do deserto do Texas, nos Estados Unidos, tendo a “janela” de lançamento início previsto para as 14:30 (hora em Lisboa).

Twitter/ @blueorigin

O empresário Mário Ferreira poderá tornar-se hoje no primeiro turista espacial português, numa viagem suborbital de pouco mais de dez minutos.

A cápsula autónoma e reutilizável New Shepard da empresa norte-americana Blue Origin, onde seguem mais cinco tripulantes, descolará hoje do deserto do Texas, nos Estados Unidos, tendo a “janela” de lançamento início previsto para as 14:30 (hora em Lisboa).

Trata-se do sexto voo suborbital com tripulantes da Blue Origin, empresa aeroespacial dirigida pelo magnata Jeff Bezos.

Ao lado de Mário Ferreira, presidente do grupo Pluris Investments, através do qual detém uma posição no capital da estação televisiva TVI e a empresa de cruzeiros Douro Azul, vão estar a engenheira egípcia Sara Sabry, a alpinista anglo-americana Vanessa O’Brien, o cofundador do canal desportivo do YouTube “Dude Perfect” Coby Cotton, o ex-executivo do setor das telecomunicações Steve Young e o especialista em tecnologia Clint Kelly III.

Se tudo correr bem, e à semelhança de outros voos, os seis tripulantes vão transpor a barreira que separa o limite da atmosfera terrestre e o espaço e sentir a microgravidade, numa curta viagem de pouco mais de dez  minutos entre a descolagem (impulsionada por um propulsor) e a aterragem (suavizada por um paraquedas). Nenhum dos tripulantes terá de pilotar a nave, uma vez que é totalmente autónoma.

Mário Ferreira disse à Lusa acreditar que “em breve” existirão ‘resorts’ orbitais “para turismo e experiências científicas”, estando também a equacionar investir na indústria aeroespacial.

“Este é para mim o primeiro voo daquilo que eu acredito será o futuro das viagens ao espaço. As empresas que tenho conhecido, incluindo esta, têm programas em curso muito interessantes e que não são ficção cientifica”, considerou o empresário, acrescentando que o seu treino tem sido muito intenso.

“[Na terça-feira] foram 13 horas seguidas, hoje [quarta] umas 12. O treino nesta fase é muito assente nas questões de segurança e repetição de movimentos”, disse à Lusa, indicando que os tripulantes já têm noção do tempo e “das forças adversas” que vão sentir no corpo durante a viagem.

Acerca da garrafa de vinho do Porto que vai enviar para o espaço no voo, disse querer que a sua missão “fosse mais que uma experiência turística”, tendo também “uma área experimental”.

“Queremos ver que alterações poderá sofrer um vintage de 2003, vamos ver se com as forças G e ausência de gravidade, altera sabor, cor, e se existirão outras alterações químicas ou moleculares”, explicou à Lusa.

Ao vinho da Taylor’s, que na altura investiu “numa garrafa especial, não vidro, com rolha de cortiça”, juntam-se outros itens que também levará na viagem.

Em causa está uma “homenagem ao Douro, ao rio, aos barcos e a uma arte” que diz muito admirar, pelo que será enviado um “barco rabelo em filigrana”.

Mário Ferreira, que em julho foi constituído arguido na “Operação Ferry”, que investiga eventuais crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento no negócio da compra e venda do navio Atlântida, já tinha manifestado o seu desejo de ir ao espaço e chegou mesmo a comprar bilhete para voar com uma outra empresa, a Virgin Galactic.

A nave da Blue Origin tem o nome do astronauta (Alan Shepard) que se tornou no primeiro norte-americano a chegar ao espaço, em 1961, e no quinto a pisar a superfície da Lua, em 1971.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Nunca a Europa teve tantos incêndios florestais como este ano

O serviço de monitorização por satélite da União Europeia revelou que registou um aumento nas emissões resultantes de incêndios florestais.

TAP. Técnicos de manutenção de aeronaves “correm risco de burnout e exaustão”, alerta sindicato

O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) divulgou hoje as conclusões de um estudo em parceria com Centro de Medicina do Sono, onde é feito o alerta que os técnicos de manutenção de aeronaves “não dormem o suficiente e correm risco de burnout e exaustão”. Trabalho por turnos está a afetar esta classe profissional, numa altura em que há falta de pessoal.
Comentários