PremiumEmpresas criticam OE2022: “Decalcado” e com “medidas insuficientes”

AEP e a AHRESP alertam para a mudança de contexto económico global. Luís Marques diz que “IRC se tornou um imposto progressivo”.

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) e a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alertaram que a proposta de OE2022, que foi aprovada na generalidade na sexta-feira passada, peca por inspirar-se demasiado no documento apresentado em outubro, quando o contexto nacional e internacional era diferente.

“Por razões simples e óbvias, não é [o OE de que o país precisa]. O diagnóstico está feito, todos sabemos o que se passa e todos vivemos neste mundo em constante mudança”, disse o presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, no segundo painel deste evento “Este é o OE de que o país precisa?”

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEmpresas orientadas para os dados precisam da ‘cloud’

Abel Aguiar, diretor executivo de Canal e Parceiros da Microsoft Portugal, e Sara Candeias, diretora de Sistemas de Informação, Dados e Analítica do Banco Montepio, defendem que os dados são um diferencial de competitividade.

“Um banco é uma plataforma tecnológica com serviços financeiros”, refere diretora de sistemas do Montepio

Sara Candeias apela a que as decisões de negócio venham dos dados “mais do que de uma intuição, experiência ou análise da concorrência, porque a intuição e experiência podem falhar, mas os dados não”.

“As empresas mais data-driven conseguiram suportar melhor a pandemia”, diz Microsoft Portugal

O diretor executivo de Canal e Parceiros da Microsoft Portugal, Abel Aguiar, considera que empresas viradas para os dados são capazes “de identificar, capturar, analisar diferentes tipos de dados para extrair insights e usá-los para crescer, inovar, aumentar a sua velocidade na ida ao mercado”.
Comentários