PremiumEmpresas de bebidas espirituosas apelam ao congelamento do imposto

Com a guerra (e ainda a pandemia) a encarecer as matérias-primas, as empresas de bebidas espirituosas querem que o imposto fique congelado ou, antecipam, haverá um agravamento dos preços, com impacto no investimento.

Os vinhos e bebidas espirituosas são o quinto setor mais com mais perdas de vendas: 60 milhões (6,4%).

Com o preço das matérias-primas a disparar, o sector das bebidas espirituosas apela a que o imposto aplicado ao álcool fique congelado no próximo ano, a bem da sustentabilidade das empresas, da sua capacidade de investimento e, consequentemente, da manutenção do emprego. A proposta do Governo de aumentar em 4% essa taxa é vista, assim, como “irracional”, até porque deverá contribuir para uma subida dos preços, num cenário já marcado pela inflação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários