Empresas de distribuição garantem que super e hipermercados estão a funcionar normalmente

A APED informou que a paralisação deste fim-de-semana no setor da distribuição “regista um impacto residual e não está a afetar o normal funcionamento das lojas de retalho alimentar e não alimentar que fazem parte da rede” dos seus associados.

O primeiro dia da greve dos trabalhadores de lojas, super e hipermercados está a ter uma “grande adesão”, segundo um sindicado, enquanto a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) garantiu que a paralisação tem “impacto residual”.

Em comunicado, a APED informou que a paralisação deste fim-de-semana no setor da distribuição “regista um impacto residual e não está a afetar o normal funcionamento das lojas de retalho alimentar e não alimentar que fazem parte da rede” dos seus associados.

A associação garantiu ainda estarem “asseguradas todas as condições para que os consumidores portugueses possam aceder a todos os serviços habitualmente prestados nesta época natalícia”.

No texto é ainda reiterado um apelo ao diálogo, o compromisso de manter um “clima de equilíbrio social no setor da distribuição” e um apelo ao “sentido de responsabilidade dos sindicatos para que possam ser encontradas, em sede própria, as soluções mais adequadas no âmbito do processo de negociação dos termos e condições do contrato coletivo de trabalho”.

Pela parte do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), a dirigente Isabel Camarinha avançou hoje à Lusa “um balanço muito inicial positivo” da paralisação.

Por “ser fácil abrir lojas maiores com poucos empregados”, os efeitos notam-se em locais mais pequenos e “há uma série de lojas Minipreço que estão fechadas por todo o país”, informou.

“Há uma grande adesão dos trabalhadores das lojas e continua nos armazéns”, resumiu a dirigente sindical, que denunciou um “conjunto de ilegalidades cometidas para que as lojas estejam a funcionar”.

Nessa lista estão a “substituição de trabalhadores, alteração de dias de descanso e de horários, pressões, ameaças de faltas injustificadas e penalizações depois da greve”.

“Sabíamos que isto ia acontecer, mas não invalida que haja uma grande adesão, acrescentou Isabel Camarinha, que admitiu a possibilidade de alguns trabalhadores escolherem parar só no domingo, por “razões económicas, pelos seus salários muito baixos”.

Os trabalhadores do retalho iniciaram hoje uma greve de dois dias, juntando-se ao pessoal dos armazéns, que começou o protesto na sexta-feira.

A paralisação, convocada pelos sindicatos da CGTP, tem como objetivo pressionar a APED a evoluir na negociação do contrato coletivo do setor para que se concretizem aumentos salariais, alterações de carreira e regulamentação dos horários de trabalho.

Na sexta-feira os trabalhadores dos armazéns e da logística do Lidl, Minipreço, Jerónimo Martins e Sonae estiveram em greve e concentraram-se junto às respetivas empresas.

As empresas associadas da APED empregam 111 mil trabalhadores.

Relacionadas

Trabalhadores dos super e hipermercados iniciam hoje greve de dois dias

A APED garantiu que “estão asseguradas todas as condições para que os consumidores portugueses possam realizar as compras habituais na quadra natalícia, não se verificando quaisquer limitações ao funcionamento das lojas”.
Recomendadas

Cinco restaurantes portugueses conquistam primeira estrela Michelin

Encanto (José Avillez e João Diogo), Kabuki Lisboa (Paulo Alves), Kanazawa (Paulo Morais), Euskalduna Studio (Vasco Coelho Santos) e Le Monument (Julien Montbabut) receberam o selo de “cozinha de grande nível, compensa parar” no Guia Michelin Espanha e Portugal 2023.

Empresas de carnes e peixes artificiais veem “desafios” com a crise

Multinacionais como Beyond Meat ou Impossible Foods tiveram um crescimento exponencial em 2019-20 e hoje enfrentam quebras de vendas e despedimentos. Em Portugal, outras ‘agrotechs’ admitem preocupações, mas garantem impacto positivo do negócio no longo prazo.

Padaria Portuguesa transforma óleo alimentar em biocombustível

Produto é encaminhado para produzir o Eco Diesel B15, que permite reduzir até 18% as emissões de gases de efeito estufa.
Comentários