Empresas de energia investiram 6 mil milhões de euros nas startups em dois anos

Estudo da consultora global NTT Data, que analisou o capital de risco de 2018 a 2020, concluiu que o número destes investimentos tem crescido a uma taxa anual de 17%.

O investimento dos fundos de capital de risco das empresas do sector energético tem apresentado uma trajetória ascendente e regista uma taxa de crescimento anual de 17% há catorze anos. Aliás, entre 2018 e 2020 as energéticas investiram 5,98 mil milhões de euros em empreendedores com tecnologias inovadoras para a sua indústria.

A conclusão é do estudo “Energy Trends”, elaborado pela consultora NTT Data, cujo objetivo é dar uma visão geral das atuais tendências macro do sector energético, em termos de investimentos de capital de risco em startups tecnológicas e novos modelos de negócio, oferecendo a possibilidade de antecipar potenciais mudanças, considerando os investimentos efetuados.

Para Luís Vaz de Carvalho, associate partner da NTT Data Portugal e responsável de Utilities na empresa, este relatório “demonstra que o sector energético está muito empenhado em inovar para melhorar a vida dos cidadãos de todo o mundo, o que se traduz no surgimento de novas fontes de energia e tecnologias, que contribuirão para um planeta mais verde e mais qualidade de vida das populações”.

A análise – que abrangeu as 33 maiores empresas do sector energético por volume de negócios – permitiu perceber que houve uma mudança substancial em relação à liderança das companhias de eletricidade sobre as companhias petrolíferas. Esta é uma tendência que se inverteu nos últimos três anos, tendo as últimas assumido a liderança, ao participar em mais 20% de investimentos do que as companhias elétricas.

Nos dois anos estudados, foram feitos 317 investimentos em 258 startups. O montante médio dos cinco maiores novos investimentos foi de 200 milhões de dólares.

Os principais hubs de investimento, tendo por base as sedes das startups que receberam investimento, encontram-se nos Estados Unidos e na Europa, com a Califórnia e a Alemanha a destacarem-se. Os Estados Unidos são responsáveis por quase 50% de todos os casos de investimento, enquanto o Velho Continente é responsável por quase 40%. No entanto, estes locais de investimento estão a criar espaço para os mercados emergentes, em particular o Médio Oriente (realizou 8% do total dos investimentos efetuados).

“Estes dados (volume de investimento, número de casos, CVCs, investimento em startups) deverão continuar a aumentar ano após ano, devido ao impulso potenciado pela ajuda governamental e pelas medidas lançadas a favor destes novos modelos. O investimento direto em energias renováveis através dos fundos Next Generation, ou o empenho dos Estados Unidos e da Ásia em modelos de produção, armazenamento e mobilidade mais limpos, levam-nos a prever um crescimento exponencial da inovação no sector nos próximos anos, aplicando modelos disruptivos que aumentam o valor do sector energético e as suas possíveis aplicações”, aponta o documento.

Recomendadas

PremiumTAP teme impacto do risco de recessão nas suas receitas em 2023

Companhia aérea nacional diz que a capacidade este ano está a 90% dos níveis pré-pandemia. Aumento dos custos do jetfuel já está a afetar fortemente as operações da companhia. Acordos coletivos estarão “no topo da lista de prioridades” da TAP em 2023.

Sindicatos anunciam marcha silenciosa na terça-feira para protestar contra situação na TAP

Três sindicatos do sector da aviação apelaram aos associados para participarem numa “marcha silenciosa” inédita na terça-feira para “continuar a chamar a atenção de todos” para a situação que, “infelizmente, hoje se vive na TAP Air Portugal”, foi anunciado.

Eletricidade. Comercializadores proibidos de repercutirem custos na fatura depois da polémica com a Endesa

A medida visa garantir que os consumidores já isentos não venham a pagar mais na fatura devido ao mecanismo ibérico. Somente os contratos de fornecimento de eletricidade a preços fixos celebrados depois de 26 de abril é que são impactados pelos custos do mecanismo.
Comentários