Empresas do BCSD pedem mais ambição para acelerar a transição para a bioeconomia circular

Para o BCSD Portugal, “este enorme desafio obriga à convergência ativa de todos: sector público, sector privado, universidades, sociedade civil e cada um de nós individualmente”.

As empresas do Business Council for Sustainable Development (BCSD) Portugal redigiram um manifesto no qual pedem mais ambição para acelerar a transição para a bioeconomia circular, exigindo que a COP15 da Biodiversidade, que começou hoje em Montreal, Canadá, protagonize um momento de viragem para o reconhecimento da importância da natureza para a economia mundial.

“Hoje, metade da economia mundial depende de capital natural, como matérias-primas, mas a delapidação dos ecossistemas e a perda de biodiversidade encontram-se atualmente no topo dos riscos ambientais globais, a par das alterações climáticas”, é referido num comunicado que acompanha o manifesto.

O manifesto foi dado a conhecer aquando do início do COP15, que decorre entre hoje e dia 19 de dezembro, durante o qual será adotada uma Estratégia Global para a Biodiversidade Pós-2020, para travar a perda global de biodiversidade até 2030 e promover a recuperação dos ecossistemas naturais.

Para o BCSD Portugal, “este enorme desafio obriga à convergência ativa de todos: sector público, sector privado, universidades, sociedade civil e cada um de nós individualmente”.

No manifesto, “as empresas são chamadas a contribuir para a consciencialização coletiva sobre a importância da biodiversidade, partilhando as boas práticas e a construindo parcerias positivas. Paralelamente, devem estabelecer planos de ação com metas claras, ambiciosas e alinhadas com a ciência de valorização da biodiversidade e do capital natural, bem como adotar sistemas de reporte de riscos e impactes, procurando que os seus modelos de negócios sejam regenerativos, isto é, tenham um impacte positivo na biosfera”, é referido numa emitida a propósito da publicação do manifesto.

O BCSD Portugal pede aos poderes público, nomeadamente aos governos, incentivos e reconhecimento para as empresas que melhor cumpram e medidas eficazes que assegurem a proteção da biodiversidade e dos ecossistemas.

“O desafio do combate às alterações climáticas depende também e em larga escala do contributo da natureza. Sem os ecossistemas e a biodiversidade que compõem a biosfera não haveria vida humana no planeta Terra”, é destacado no documento.

Segundo João Meneses, secretário-geral do BCSD Portugal, na COP15 deverá ser “decidido um reforço dos incentivos à transição para um novo paradigma de bioeconomia circular e de baixo carbono, assente em matérias-primas preferencialmente de origem biológica, renováveis e com níveis de desperdício próximos de zero”.

Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários