Empresas e consumidores poupam com novas regras dos pagamentos transfronteiriços na Europa

A nova regulamentação da União Europeia garantirá que os pagamentos transfronteiriços em euros com origem na Bulgária, Chéquia, Croácia, Dinamarca, Hungria, Islândia, Listenstaine, Noruega, Polónia, Roménia e Suécia, não pertencentes à área do euro, custarão o mesmo que os pagamentos nacionais.

A partir desta semana, os consumidores e empresas dos Estados-membros da União Europeia (UE) não pertencentes à área do euro passam a poder efetuar pagamentos transfronteiriços mais baratos em euros.

A nova regulamentação da UE garantirá que os pagamentos transfronteiriços em euros com origem na Bulgária, Chéquia, Croácia, Dinamarca, Hungria, Islândia, Listenstaine, Noruega, Polónia, Roménia e Suécia, não pertencentes à área do euro, custarão o mesmo que os pagamentos nacionais.

A Comissão Europeia diss esta segunda-feira que, em colaboração estreita com as autoridades competentes nacionais, acompanhará de perto a aplicação da nova regulamentação, para garantir que esta será “corretamente aplicada”.

Valdis Dombrovskis, vice-presidente executivo da instituição europeia, afirma: “A regulamentação permitirá que os nossos cidadãos e as nossas empresas tenham todos a mesma possibilidade de efetuar pagamentos transfronteiriços baratos em euros. É um bom exemplo, concreto, de como os consumidores europeus podem tirar real partido do Mercado Único”.

“Por exemplo, uma família romena que queira enviar dinheiro a um filho ou filha que esteja deslocado em Paris no âmbito do programa de intercâmbio Erasmus deixará de ter custos adicionais por isso”, refere o responsável pela tutela de ‘Uma Economia ao serviço das Pessoas’.

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários