Empresas emitiram menos dívida em outubro, diz Banco de Portugal

O saldo de títulos de dívida emitidos por Sociedades não Financeiras no fim de outubro de 2018 ascendeu a 33.682 milhões de euros, diminuindo 216 milhões de euros face ao mês anterior e registando uma variação homóloga de -3,6%.

A nota de informação estatística de emissões de títulos, de outubro de 2018, do Banco de Portugal revela que no final de outubro de 2018, o saldo de títulos de dívida emitidos por Sociedades não Financeiras (empresas) ascendeu a 33.682 milhões de euros, registando uma variação homóloga de -3,6%.

Em outubro de 2018, as emissões líquidas de títulos de dívida por residentes totalizaram 445 milhões de euros, o que compara com um valor de -879 milhões de euros no mês anterior.

No mês de outubro as emissões líquidas (emissões brutas deduzidas de amortizações) de títulos por residentes foram praticamente nulas, diz o BdP. Este resultado decorre principalmente das emissões líquidas positivas das administrações públicas, que compensaram as emissões líquidas negativas das sociedades financeiras, acrescenta o banco central.

O saldo de títulos emitidos por residentes totalizou 457 mil milhões de euros, diminuindo 4,1 mil milhões de euros face a setembro de 2018. “Este decréscimo deveu-se, sobretudo, à desvalorização das ações cotadas emitidas pelas sociedades não financeiras, a maior desvalorização do setor desde agosto de 2015”, alerta a nota.

As emissões líquidas de títulos de dívida por empresas (sociedades não financeiras) atingiram o valor de -228 milhões de euros (o que compara com 637 milhões de euros registados no mês anterior).

No final de outubro de 2018, o saldo total de títulos de dívida emitidos por residentes ascendeu a 282.828 milhões de euros, aumentando 303 milhões de euros face ao mês anterior e registando uma variação homóloga de 2,5%.

 

 

 

Recomendadas

EDP: “A Europa teve sorte este inverno, não vai haver problemas de abastecimento”

“Europa já está livre da dependência do gás da Rússia”, disse hoje Joana Freitas da EDP Produção.

Durão Barroso diz que “desglobalização” afetará empresas portuguesas

“À incerteza em torno do desenlace da guerra na Ucrânia soma-se o processo de desglobalização, fragmentação e polarização  do mundo que significará obstáculos crescentes ao comércio e a formação de dois blocos comerciais”, disse Durão Barroso no almoço promovido pela Crédito y Caución, referindo-se aos EUA e a UE, por um lado, e à China e à Rússia, por outro.

Sobrevivência de 10% das empresas ameaçada pela morosidade, diz Crédito y Caución

O impacto da morosidade intensificou-se em Portugal, com 74% das empresas nacionais (mais oito pontos percentuais que no ano passado) a sofrerem o impacto negativo na sua conta de resultados.
Comentários