Empresas portuguesas doaram 139,8 milhões de euros em 2014

Grandes empresas aumentaram em 38% o valor dos donativos. Cerca de 45% dos donativos registados tem origem nas PME e 55% nas grandes empresas

Stefan Wermuth/Reuters
Seja persistente e exigente.

Em 2014, os donativos das empresas portuguesas ascenderam a 139,8 milhões de euros, com 57.408 empresas (20% do tecido empresarial português) a registarem donativos nas suas contas.

Os números são do estudo ‘O papel das empresas na comunidade – retrato dos donativos em Portugal’ da Informa D&B, em parceria com a Sair da Casca, e revelam que este valor equivale a 1,8% dos resultados das empresas antes de impostos, superior à média internacional, que se situa nos 1,04%, segundo a análise do London Benchmarking Group publicada em novembro de 2016.

A distribuição dos donativos pelas empresas regista grande paralelismo com a estrutura do próprio tecido empresarial, com um reduzido número de grandes empresas (0,7% entre todas as que fazem donativos) a assumirem 55% do total de donativos, com uma média de 182 mil euros por empresa.

Por outro lado, a esmagadora maioria (96%) das empresas que efetuam donativos regista uma contribuição média de 381 euros. As micro empresas (empresas com volume de negócios inferior a 2 milhões de euros) constituem a maioria (85%) das empresas que efetuam donativos e são também o segundo segmento que mais contribui para o total de donativos (21%).

Segundo Teresa Cardoso de Menezes, diretora geral da Informa D&B, “os donativos das grandes empresas representam mais de metade do valor total e permitem apoiar grandes projetos, garantindo a própria sustentabilidade desses projetos; mas, por outro lado, existe um grande potencial entre as PME quanto ao seu contributo futuro, pela dimensão que assumem em número de empresas”.

Quatro setores geram 71% de todos os donativos

Os setores do Retalho (26%), Gás, eletricidade e água (18%), Indústrias transformadoras (14%) e Grossista (13%) geram 71% do montante total de donativos. O setor do Gás, eletricidade e água é aquele onde a média de donativos efetuados pelas empresas atinge a quantia mais elevada (quase 70 mil euros por ano).

Estes números referem-se a empresas com atividade comercial e, dada a diferença na natureza do reporte financeiro, não inclui Banca e Seguros, que foram analisadas à parte. Entre as 71 instituições bancárias e de seguros analisadas, 37 (27 na banca e 10 nos seguros) registam donativos, num valor global de 23,9 milhões de euros, o que indicia o maior peso relativo destes setores em matéria de donativos.

Lisboa em destaque

O valor dos donativos está bastante concentrado, com as empresas da Área Metropolitana de Lisboa a reunir 56% do total, seguida pelo Norte (25%) e pelo Centro (11%), apesar de estas duas últimas regiões registarem maior percentagem de empresas que fazem donativos: 37% e 29%, respetivamente, contra 20% da Área Metropolitana de Lisboa.

O estudo da Informa D&B demonstra ainda que o montante dos donativos tende a aumentar à medida que aumenta a idade das empresas.

Voluntariado e luta contra o desperdício alimentar ganham terreno

Para além da análise quantitativa da Informa D&B, a Sair da Casca procurou saber junto das empresas que realizam donativos quais as práticas que privilegiam. Em geral, as empresas estão a evoluir para uma estratégia de filantropia cada vez mais bem organizada, com empresas que querem contribuir não apenas com financiamento, mas também com competências, e que manifestam o seu interesse em seguir o desenvolvimento dos projetos.

Segundo Nathalie Ballan, Partner da Sair da Casca, “a próxima etapa para maximizar o impacto social dos donativos empresariais deveria passar pelo investimento social em que a empresa assume um papel ainda mais ativo de investidor, que está à espera de um retorno, mesmo que a longo prazo. Este formato permitirá reciclar o dinheiro dos donativos, criar parcerias fortes entre os diferentes setores empresarial, social e público, e será uma alavanca para entidades do setor social poderem desenvolver a sua atividade geograficamente ou criando novas competências e soluções”.

Voluntariado

O Voluntariado tornou-se uma prática consolidada e integrada de 83% das organizações analisadas, criando oportunidades para os colaboradores conhecerem melhor o setor social e o contributo que podem ter, num contexto em que Portugal ainda faz parte dos países em que os cidadãos menos aderem a esta prática. Ainda assim, esta prática em Portugal está longe da média europeia: na Europa, 24% das pessoas   com mais de 15 anos fazem voluntariado, valor que em Portugal é apenas de 11,5.

Combate ao desperdício alimentar

Segundo o estudo realizado pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e a Missão Continente (2016) – ‘Primeiro Grande Inquérito sobre Sustentabilidade’, o combate ao desperdício tornou-se um grande consenso nacional e uma preocupação generalizada dos portugueses. E a partir de 2015, a luta contra o desperdício começou a ter protagonismo nas empresas, de forma mais premente nas áreas da indústria de transformação alimentar e no retalho.

Educação e solidariedade

As causas que as empresas mais referem são a Educação e a Solidariedade, seguidas do Ambiente, Saúde, Cultura e Desporto. Se em 2008 era incontornável mostrar o papel solidário e reativo das empresas a situações de grande urgência social, hoje há uma nova dinâmica, mais positiva, que aposta na educação, na empregabilidade e formação e na igualdade de oportunidades.

Melhores práticas e transparência

Um pequeno grupo de grandes empresas, muito relevante pelos montantes de donativos atribuído ao setor social e à cultura e pela sua capacidade de inovação social está a promover novas atitudes. Começaram nos últimos anos a implementar uma série de prémios/concursos e outras iniciativas que permitiram a todas as entidades sociais competirem em igualdade de circunstâncias, de forma muito transparente e em alguns casos com um compromisso do promotor do Prémio num apoio plurianual, que representa um fator de estabilidade para as organizações beneficiárias.

Recomendadas

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Excedente orçamental melhora para 2,3 mil milhões de euros em agosto

Este valor representa uma melhoria de 9.211 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o comunicado do Ministério das Finanças.

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.
Comentários