Empresas portuguesas revelam apreensão com o futuro, sobretudo no talento

Estudo da Odgers Berndtson, divulgado esta sexta-feira, foi realizado com a participação de 80 líderes de negócio de empresas nacionais e internacionais que operam no mercado português, entre as quais algumas do PSI 20.

Os líderes das empresas portuguesas ou a operar em Portugal expressam “elevada satisfação” com o desempenho das suas organizações, mas estão preocupados com a preparação para o futuro – esta é uma das principais conclusões do primeiro Organizational Excellence Index (OEI) realizado pela empresa de executive search, leadership advisory e organizational consulting, Odgers Berndtson, divulgado esta sexta-feira, 20 de janeiro.

“Os dois últimos anos são percecionados pelos líderes de negócio como anos de desempenho positivo das suas organizações, especialmente tendo em conta o contexto desafiante que enfrentaram”,  explica Pedro Mêda, partner da Odgers Berndtson e responsável pelo estudo. “Ainda assim, estes mesmos líderes apresentam-se mais apreensivos com a preparação das suas empresas para com os desafios de futuro”.

As empresas que relatam melhor desempenho são também as que apresentam índices de Organizational Excellence mais elevados. Em comum estas empresas apresentam ainda outra característica: excelência em cinco comportamentos organizacionais específicos: 1)Antecipam tendências e o seu impacto no futuro do negócio; 2)Eficácia na gestão financeira e de risco; 2)
Detêm elevados padrões de desempenho e exigência de excelência nos resultados; 4) Fomentam a inovação e melhoria de processos; 5) Investem nas competências necessárias para fazerem face aos desafios futuros.

“A identificação destes cinco comportamentos transversais às empresas de elevado desempenho permite aos gestores avaliar se têm a base para o desenvolvimento da excelência organizacional. Sem atingir elevados níveis de proficiência nestes comportamentos, o caminho pode afigurar-se difícil ou mesmo impossível”, afirma Pedro Mêda.

Outra conclusão que se destaca no estudo é a preocupação específica que os líderes têm com a dimensão de Talent Management: 68% dos participantes no estudo colocam esta como uma das três principais preocupações para os próximos anos, acelerando a urgência com que o tema tem sido trabalhado nas suas organizações.

Em concreto, apontam a adoção de processos estruturados para identificar as competências críticas do amanhã, a implementação de programas de desenvolvimento cada vez mais personalizados e orientados ao futuro, a mobilidade do talento para as funções mais críticas, ou ajuste de políticas e processos de Recursos Humanos, que criam os contexto adequado para os colaboradores entregarem cada vez mais valor, de forma cada vez mais ágil e eficiente.

Com base nas conclusões do Index, a Odgers Berndtson propõe às organizações e empresas que: diagnostiquem as oportunidades de melhoria de cada organização; priorizem os comportamentos que maior valor acrescentarão face à estratégia do negócio; planeiem as iniciativas para promover a melhoria das áreas prioritárias; e iniciem o caminho de transformação com a implementação destas iniciativas.

Organizational Excellence Index foi desenvolvido com a participação de 80 líderes de negócio de empresas nacionais e internacionais que operam no mercado português, entre as quais empresas cotadas que integram o índice PSI. O estudo avalia, junto das inquiridas, as características organizacionais (da empresa e do líder) e o peso que cada uma tem, de forma prática, no sucesso das empresas em questão.

Recomendadas

Feira de emprego da ISCTE Business School junta mais de 70 empresas portuguesas

O primeiro dia será dedicado às áreas da banca, seguros, auditoria, consultoria e recursos humanos, enquanto o segundo irá focar-se no marketing, retalho, serviços e tecnologia.

Investigadora da Universidade de Coimbra estuda desenvolvimento cerebrovascular neonatal

Vanessa Coelho-Santos, investigadora da Universidade de Coimbra, recebeu 300 mil euros de financiamento da Fundação La Caixa para estudar o desenvolvimento cerebrovascular neonatal.

Sete em cada dez empresas têm perspetivas de crescimento e querem recrutar mais em 2023

Em 2023, será o sector da Energia o que mais apostará no recrutamento, seguindo-se o Turismo e o sector das Tecnologias, Media & Telecomunicações (TMT), revela a análise feita por Neves de Almeida HR Consulting e pelo ISCTE Junior Consulting.
Comentários