PremiumEmpresas portuguesas têm sido “negligentes” na proteção de dados

A aplicação do regulamento tem sido marcada pela incompreensão sobre o tema, diz Ricardo Pinto, da DPO Consulting. A primeira grande multa poderá servir de exemplo, afirma o especialista.

As empresas nacionais com maior exposição ao mercado europeu foram mais ativas na abordagem ao Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), mas a “esmagadora maioria das empresas têm sido negligentes” sobre o assunto, afirma Ricardo Pinto, consultor da DPO Consulting, empresa focada na privacidade, segurança e proteção de dados.

O especiliasta adianta que a maioria das empresas “não entenderam e não sentiram, em termos operacionais, que havia uma necessidade de cumprir com o RGPD”.

Em entrevista ao Jornal Económico, diz que “ainda há muito fazer” em relação à aplicação do regualmento e prevê que “ se vão fazer muito mais coisas nos dois meses subsequentes à primeira multa aplicada a uma empresa com alguma visibilidade num país europeu”.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Worten cria centro de Marketing Digital

A equipa, liderada por Simão Pires, vai ser responsável pela coordenação de media, redes socias e conteúdo digital, integração e coordenação de meios de comunicação digital e transformação de processos criativos para garantir foco digital.

Três startups vencem programa de inovação da Prio

As empresas AirCO2 Fintech (Espanha), BeFC (França) e Evyon (Noruega) ganharam a sexta edição do “Jump Start”. “Perante desafios tão importantes como a transformação digital, sustentabilidade e a transição energética, acreditamos que é fundamental dar voz e colaborar com startups”, garante a diretora de I&D da petrolífera.

Empresas precisam de mudanças que deem sinal de esperança, diz bastonária dos contabilistas

Paula Franco tem “expectativa” de que no próximo Orçamento do Estado sejamos “surpreendidos com medidas que aumentem a confiança”.
Comentários