Estas são as melhores empresas para trabalhar em Portugal

Uma cultura empresarial assente em valores humanistas, que aposta no desenvolvimento do potencial dos colaboradores é, em traços gerais, um elemento tranversal às 21 empresas que figuram na lista dos “best places to work” em Portugal este ano.

Já na reta final da entrevista, última etapa do processo de seleção para um emprego na Mundipharma, Andreia Lucas não resistiu a abrir o jogo ao diretor-geral. “Tenho um problema… estou grávida!”, revelou. “Congratulei-a, pois não é todos os dias que se tem um filho”, conta Salvador López ao Jornal Económico, justificando. “Eu contrato pessoas com talento, importam-me as pessoas e aquilo de que são capazes, independentemente de serem homens ou mulheres, de estarem grávidas ou de não terem filhos”.

A Mundipharma, presente em Portugal de forma direta desde finais de 2015, emprega 24 pessoas, sendo ainda uma pequena e jovem empresa. O que a torna tão atrativa? “Não são as regalias nem os benefícios. É a cultura empresarial, uma cultura assente em valores criados por todos os colaboradores. O facto de termos feito uma empresa de raiz permitiu-nos isso”, explica Salvador López, que ao fim de apenas um ano de atividade viu o projeto empresarial que lidera distinguido pelo Great Place to Work Institute, não uma, mas duas vezes: 2.ª melhor empresa para trabalhar com menos de 100 colaboradores e Prémio Igualdade de Género. Na empresa que acarinha a maternidade e para onde os pais podem levar os filhos, as mulheres são em mesmo número que os homens. Além disso, Salvador López destaca ainda o clima de comunicação aberto, sem hierarquias visíveis, onde todos têm acesso a todos.

A única empresa que ficou à frente da Mundipharma nesta categoria, o SAS Institute Software, trisou nos prémios do Great Place to Work Institute de 2017: Melhor empresa para trabalhar em Portugal até 100 colaboradores, Atração de Jovens Talentos e Liderança, Saúde e Bem-Estar. ”Há uma preocupação estrutural, no nosso ADN, da satisfação dos colaboradores ter um impacto positivo nos nossos clientes”, explica Fernando Braz, diretor executivo do SAS, ao Jornal Económico. “O resultado é uma taxa de rotação de colaboradores muito baixa, o que favorece relações a longo prazo com o mercado e clientes”,  acrescenta.

Na categoria entre 100 e 250 colaboradores brilhou a Cisco e na categoria mais de 250 colaboradores a ROFF. Uma cultura empresarial assente em valores humanistas, que aposta no desenvolvimento do potencial dos colaboradores é, em traços gerais, um elemento tranversal às 21 empresas que figuram na lista dos “best places to work” em Portugal este ano. Às empresas já referidas juntam-se o AKI, Teleperformance, Santander Totta, HUF, Infineon, Bayer, AstraZeneca, Abbvie, Mind Source, Medtronic, Growin, Omega Pharma, Anubis Network, Mars, BMW,  3 M e Companeo.

“As pessoas querem trabalhar em organizações em que confiem, que as valorizem igualmente e onde podem desenvolver todas as suas potencialidades”, salienta ao Jornal Económico Sílvia Gusmão, diretora de Recursos Humanos, Formação e Qualidade da ROFF, empresa especializada na implementação de soluções SAP. Com 850 consultores, 65% homens, 35% mulheres, dos quais 150 com menos de 30 anos, a ROFFpromove a flexibilidade laboral e a formação, bem como o envolvimento dos colaboradores nos processos organizacionais. E colhe o impacto positivo no aumento da produtividade. O “espírito ROFF” cimenta-se através da camaradagem e da comemoração e contribui para ampliar o lastro.

Recomendadas

Se é consumidor idoso, saiba como pode proteger-se de possíveis fraudes ou vendas agressivas

A DECO considera importante que o consumidor idoso se dote de toda a informação disponível, de forma a proteger-se e prevenir-se face a estas eventuais fraudes, das quais destacamos as armadilhas como a usurpação dos dados pessoais e o uso e “abuso” da assinatura. 

NOS avança com dados móveis ilimitados nos novos cartões móveis com pagamento em fatura

“A NOS oferece dados móveis ilimitados até ao final do ano a todos os clientes com novos cartões móveis com pagamento em fatura”, refere a operadora em comunicado.

Securitas Direct contrata 70 profissionais até ao final do ano

“O processo de recrutamento vai incidir na procura de profissionais para a área comercial da empresa em todo o país, assim como técnicos de manutenção, atendimento ao cliente, administrativos e vigilantes de segurança, que vão trabalhar diretamente na Central Recetora de Alarmes”, indica o comunicado da Securitas Direct.
Comentários