Empresas só recebem 20% dos fundos destinados a criação de emprego

O executivo tem a intenção de lançar uma nova geração de sistemas de incentivo ao empreendedorismo e emprego, que têm como alvo os territórios de baixa de densidade, diz o Público.

Só 20% dos fundos que têm como intuito a geração de emprego chegam às empresas, avança o Público.

A mesma publicação diz que o executivo vai lançar uma nova geração de sistemas de incentivo ao empreendedorismo e emprego, que têm como alvo os territórios de baixa de densidade, tendo em conta as taxas de execução muito baixas nesta estratégia, que em algumas situações é de 7%.

O Público refere ainda que os fundos comunitários vão ser utilizados para promoção do crescimento económico e também na valorização do interior. Estes pilares deverão estar presentes na proposta de Orçamento de Estado que será apresentada pelo Governo, refere a mesma publicação.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/taxa-de-desemprego/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”75″ slug=”taxa-de-desemprego” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/taxa-de-desemprego/thumbnail?version=1573122650259&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Recomendadas

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.

Eutanásia: Marcelo afirma que decidirá “rapidamente” e aponta para alturas do Natal

O Presidente da República garantiu hoje que decidirá rapidamente sobre a lei da despenalização da morte medicamente assistida, que deverá ser aprovada sexta-feira no parlamento, quando receber o documento, apontando a altura do Natal como data provável.
Comentários