PremiumEmpresas vão poder pagar IVA em prestações de forma permanente

Governo vai criar possibilidade permanente de pagamento de IVA a prestações, com um valor mínimo de 25 euros. Regime deixa de ser temporário e é alargado a todas as empresas com liquidações oficiosas.

No próximo ano, o pagamento do IVA a prestações, sem juros e penalidades, pode ser feito de forma estrutural em até três prestações mensais, com um valor mínimo de 25 euros. O regime temporário foi criado apenas para o ano de 2022 para aliviar os efeitos que a covid-19 teve na atividade e na tesouraria das empresas. E aplica-se apenas a liquidações emitidas oficiosamente pela Autoridade Tributária (AT), dispensando-se da prestação de quaisquer garantias e juros.

A medida tem agora um enquadramento inflacionista e foi aprovada pelo Governo que vai alargar o universo de potenciais beneficiários, passando a aplicar a todas as empresas e não apenas às que faturem até 650 mil euros, revelou ao JE fonte do Ministério das Finanças.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários