Endesa destinará para dividendo todo o benefício até 2019

Foi esta a orientação para aprovação do conselho da elétrica, segundo um comunicado emitido. A decisão da Endesa faz parte de um novo plano estratégico da elétrica.

A Endesa voltou a dar um passo à frente na sua estratégia de reforçar a sua política de dividendos. O grupo contempla destinar todo o benefício líquido atribuído a dividendos entre 2015 e 2019.

Foi esta a orientação para aprovação do conselho da elétrica, segundo um comunicado emitido. A decisão da Endesa faz parte de um novo plano estratégico da elétrica.

O grupo, presidido por Borja Prado, contempla um pay out (parte da receita que se destina a retribuir ao investidor) de pelo menos 100% durante cinco anos consecutivos. Seria o primeiro caso na Bolsa espanhola de um pay out tão elevado e com níveis tão sustentáveis durante tanto tempo.

O novo plano da Endesa é uma atualização e ampliação do plano industrial apresentado há um ano, em outubro de 2014, uma vez que a Endesa concluíu uma reorganização dos seus ativos na América Latina, transferindo este negócio à empresa matriz, a Enel. O plano industrial marcou um virar de página da nova Endesa, que levou a cabo uma operação histórica quando, no final de 2014, a Enel colocou um 20% da elétrica em Bolsa, aumentando assim o free float do grupo e a sua base acionista.

OJE

Recomendadas

Amazon planeia gastar 95 milhões de euros por ano em publicidade no Twitter

Este valor faz parte da estratégia da retalhista online no regresso à publicidade na rede social agora liderada por Elon Musk, mas está ainda dependente de alguns “ajustes de segurança” na plataforma de anúncios do Twitter.

Comércio online representou 22% de todo o comércio na Black Friday

As compras por MB Way dispararam face a 2019, com uma subida de 1.730%, de acordo com os dados divulgados pelo Forward Payment Solutions (SIBS).

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.