Endesa vai investir 2 mil milhões de euros em distribuição de energia até 2020

O investimento inclui o financiamento de um novo sistema de controlo, a melhoria da oferta e uma maior aposta nas energias renováveis.

A Endesa vai investir cerca de 2 mil milhões de euros na área da distribuição de energia até 2020, mais 29% do que o previsto no plano anterior da empresa. O investimento inclui o financiamento de um novo sistema de controlo, a melhoria da oferta e uma maior aposta nas energias renováveis, noticia o jornal espanhol “El Economista”.

A empresa espanhola do setor da energia vai alocar 1,3 mil milhões de euros na modernização da rede elétrica em Espanha. Para isso, a Endesa solicitou um empréstimo de 500 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento (BEI), que deve ser assinado ainda esta quinta-feira.

A operação prevê a modernização da rede elétrica em algumas das regiões mais desfavorecidas do território espanhol.

O plano estratégico da empresa inclui ainda o investimento de mil milhões de euros na atualização de redes inteligentes e 800 milhões em digitalização. O objetivo é melhorar a eficiência das redes de distribuição e reduzir as perdas de energia na rede, fomentando o combate a práticas fraudulentas.

Recomendadas

Cepsa investe 3.000 milhões em Espanha em maior projeto europeu de hidrogénio verde

O projeto Vale do Hidrogénio Verde Andaluz contempla dois centros de produção deste gás, gerado a partir de energias renováveis e menos poluentes (eólica e solar) e considerado estratégico para a designada “transição ecológica”, por poder ser um substituto dos combustíveis fósseis.

GamaLife compra unidade da Zurich em Itália

A GamaLife concluiu a aquisição de uma unidade de negócio da Zurich em Itália, incluindo uma carteira de apólices em vigor de seguro de vida e de pensões.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.
Comentários