Endividamento da economia sobe para 721,5 mil milhões de euros em outubro

O endividamento do setor não financeiro aumentou 2,5 mil milhões de euros comparativamente ao mês anterior, segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal.

O endividamento da economia portuguesa subiu para 721,5 mil milhões de euros em outubro, o que corresponde a um aumento de 2,5 mil milhões de euros comparativamente ao mês anterior.

De acordo com os dados divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal (BdP), desse montante total, 322 mil milhões de euros, disseram respeito ao setor público e 399,5 mil milhões de euros ao privado.

“Este aumento resultou do incremento de 2,8 mil milhões de euros no endividamento do setor público, que foi parcialmente compensado pela redução de 0,4 mil milhões de euros no endividamento do setor privado”, explica o BdP, no mais recente boletim estatístico.

Em relação ao setor público, esta subida de quase 3 mil milhões de euros deve-se sobretudo ao aumento do “endividamento face ao setor não residente, às próprias administrações públicas e ao setor financeiro”, segundo o banco central liderado por Carlos Costa.

O regulador bancário adianta também, na mesma nota, que houve uma redução de 1,1 mil milhões de euros no endividamento das empresas privadas face ao setor financeiro, “parcialmente compensada pelo aumento do endividamento externo das empresas em 0,7 mil milhões de euros”.

Relacionadas

PremiumEmpresas fazem ‘volte face’ e contribuem para o peso da dívida

Este ano deverá ser o segundo seguido de aumento no endividamento das empresas. Empréstimos bancários constituem uma das formas mais relevantes de financiamento.

Portugal é dos países mais endividados do mundo

Um rácio da dívida pública face ao PIB que deverá terminar em 2018 nos 124,8% torna o endividamento português no quarto maior do mundo entre os países desenvolvidos. Apesar da trajetória de diminuição desde 2014, a dívida portuguesa apenas é ultrapassada a nível europeu pela dívida grega e italiana.

Economia está mais resiliente, mas há “significativas fontes de risco sistémico”, diz BdP

No relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o Banco de Portugal identifica a atual conjuntura internacional como fonte de pressão para a economia portuguesa.
Recomendadas

PremiumMontepio suspende projeto para retirar 700 milhões de malparado

Chama-se “Projeto Douro” e pretendia retirar do balanço do banco entre 600 a 700 milhões de imóveis e crédito malparado a grandes empresas. Mas o processo está parado e sem data de retoma.

Laginha de Sousa defende a tributação do carbono para alinhar os incentivos privados com os objetivos sociais

Numa intervenção nas ESG Talks, o ainda administrador do Banco de Portugal e futuro presidente da CMVM, Luís Laginha de Sousa, citou um estudo recente da consultora McKinsey, que constata que mais de 90% das empresas do S&P 500 publicam atualmente algum tipo de relatório sobre sustentabilidade ESG. 

Fundação Santander lança mil bolsas para curso de negócios digitais

A Fundação Santander lançou mil bolsas que dão acesso ao curso Digital Business Development do Técnico+ Formação Avançada, unidade de pós-graduação do Instituto Superior Técnico.
Comentários