“Energia barata acabou”. União Europeia já planeia futuro sem a Rússia

A cimeira desta sexta-feira em Bruxelas serviu como reflexão sobre o impacto económico da invasão russa da Ucrânia, com crescentes preocupações com a subida dos preços e alertas de um “inverno difícil”.

Os líderes da União Europeia (UE) alertaram esta sexta-feira, 24 de junho, que “a energia barata acabou” e concordaram em aumentar os preparativos para novos cortes no gás russo, acusando Moscovo de utilizar a energia como “arma”.

A cimeira desta sexta-feira em Bruxelas serviu como reflexão sobre o impacto económico da invasão russa da Ucrânia, com crescentes preocupações com a subida dos preços e alertas de um “inverno difícil”.

Charles Michel, líder do Conselho Europeu, afirmou que a inflação é uma “grande preocupação para todos nós. A guerra de agressão da Rússia está a fazer subir o preço dos alimentos, energia e commodities”, acrescentando que os líderes concordaram em coordenar de perto as suas respostas de política económica.

A cúpula de líderes concordou com alguns passos concretos, com a Comissão Europeia a ficar responsável por encontrar mais maneiras de garantir “o fornecimento a preços acessíveis” devido à utilização da energia como “arma pela Rússia”.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a procura por abastecimentos alternativos já está em andamento, com as entregas de gás liquefeito nos EUA a subir 75% este ano, face ao ano anterior, e as entregas pelo gasoduto da Noruega a aumentarem 15%.

Além disso, von der Leyen apresentará um plano de preparação para mais cortes de gás russo aos líderes em julho. “Esperem pelo melhor, preparem-se para o pior. É o que estamos a fazer agora”, apontou.

A Comissão Europeia apresentará propostas e opções para discutir na próxima cúpula da UE em outubro, incluindo a consideração de projetos alternativos de mercado que potencialmente incluirão a dissociação do gás da formação do preço de mercado da eletricidade, referiu von der Leyen.

Recomendadas

Situação em Zaporizhzhia atingiu ponto “muito alarmante”, alerta diretor da Agência Internacional de Energia Atómica

A fábrica tem estado sob o controlo das tropas de Moscovo desde março, tendo sido mantida em funcionamento desde então por funcionários ucranianos.

Aviões militares russos cruzaram zona de defesa aérea do Alaska pelo menos três vezes esta semana

O caso mais recente ocorreu entre segunda e quarta-feira, revelou o Comando de Defesa do Espaço Aéreo Norte-Americano.

Ex-chanceler alemão processa parlamento depois de perder privilégios por ligação a Putin (com áudio)

De acordo com a lei alemã, os ex-chancelers têm direito a um cargo e a pessoal financiado pelo Estado mesmo depois de terminarem o seu mandato, mas os deputados votaram pela cessão dos seus privilégios quando Schroeder se recusou a cortar laços com Putin após a invasão da Ucrânia.
Comentários