Energia ofusca tombo do BCP e PSI-20 fecha positivo

Setor energético esteve em grande destaque na sessão de hoje, de tal forma que conseguiu disfarçar a queda acentuada do BCP, o título mais negativo da sessão de hoje.

Brendan McDermid/Reuters

O dia foi de optimismo nas principais praças europeias e o PSI-20 não quis ficar atrás das congéneres do “Velho Continente” terminando a segunda sessão da semana em alta.

O PSI-20 subiu assim 0,26% na sessão de hoje para 4.649,07 pontos e o balanço foi positivo: dez cotadas em alta e oito em queda.

O grupo EDP esteve em grande destaque na sessão de hoje: a EDP subiu 1,77% para 2,875 euros e a EDP Renováveis valorizou 2,34% para 5,99 euros.

Já a Galp Energia também contribuiu de forma significativa para o dia em grande do setor energético: cresceu 1,25% para 14,22 euros.

Não fosse o BCP e o PSI-20 poderia ter tido uma sessão de ganhos históricos: os títulos do banco presidido por Nuno Amado sofreram uma queda de 12,38%, o maior tombo desde agosto de 2014. Analistas indicam que esta queda deveu-se sobretudo à saída do Sabadell do capital do banco, algo que não foi visto de forma positiva pelos investidores.

Recomendadas

Portugal com maior subida de carga fiscal na OCDE. “Não é uma liderança que nos orgulha”, afirma Marques Mendes

O comentador apontou o facto de que em 2010, a carga fiscal nacional correspondia a 30,4% do PIB e onze anos depois subiu para 35,8%. “Está claramente acima da média da OCDE que está neste momento nos 34,1%”, referiu.

Bruxelas com resposta adequada às “distorções” da lei da inflação nos EUA

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeu este domingo uma resposta “adequada e bem calibrada” para mitigar as “distorções” da lei norte-americana para a redução da inflação.

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.
Comentários