Energia pressiona Lisboa e PSI negoceia no ‘vermelho’

O sector energético está a pressionar as negociações da Bolsa de Lisboa, que se encontra no ‘vermelho’ com as perdas da Greenvolt, Galp e grupo EDP.

A Bolsa de Lisboa está a negociar em terreno negativo, perdendo 0,08% para 5.967,64 pontos.

Na abertura, a Greenvolt é a cotada com o maior recuo, estando a perder 1,62% para 7,91 euros. A Galp desliza 0,96% para 12,88 euros, a Altri cede 0,94% para 4,84 euros, a Navigator deprecia 0,89% para 3,14 euros e a EDP Renováveis perde 0,39% para 20,45 euros.

Ainda no ‘vermelho’, a Sonae cai 0,41% para 0,97 euros e a EDP perde 0,21% para 4,76 euros.

Em terreno positivo, a Mota-Engil avança 1,17% para 1,38 euros, sendo a cotada com o maior crescimento da abertura. O BCP cresce 1,06% para 0,19 euros, os CTT sobem 0,86% para 3,52 euros e a REN soma 0,77% para 2,61 euros.

Na abertura da sessão, a Europa está a negociar em terreno misto. O alemão DAX ganha 0,09%, o francês CAC sobe 0,31%, o espanhol IBEX desvaloriza 0,05%, o britânico cai 0,45% e o italiano soma 0,11%. O Euro Stoxx segue a valorizar 0,10% para 4.154,95 pontos.

No mercado petrolífero, o Brent ganha 0,17% para 88,34 dólares e o WTI valoriza 0,26% para 81,83 dólares. O gás natural avança 1,06% para 3,256 dólares.

No mercado cambial, o euro avança 0,10% para 1,0879 dólares e a libra esterlina soma 0,19% para 1,2396 dólares.

Recomendadas

Governador da Fed avisa que taxas de juro poderão continuar a subir

O governador da Reserva Federal norte-americana, Christopher Waller, disse esta quarta-feira que a inflação ainda não está contida e deu um sinal aos mercados: as taxa de juro vão continuar a subir, provavelmente acima das projeções dos analistas.

“Mercados em Ação”. “Governos como o português tomam medidas que perpetuam a inflação”

Henrique Tomé, analista do XTB, analisou no programa da plataforma multimédia JE TV, o efeito da implementação de pacotes de estímulos às famílias por parte de Governos como o português num contexto de subidas de taxas de juro por parte do BCE e dos outros bancos centrais.

IGCP quer alargar rede de distribuidores dos certificados de aforro para contornar desinteresse da banca

O presidente do IGCP sublinhou na COF o interesse em alargar a rede de distribuidores, de forma a contornar também, o que disse ser, o desinteresse da banca.
Comentários