Energia solar para empresas traz vantagens e reduz custos

A aceleração do recurso a energias renováveis, com todas as metas nacionais e comunitárias, coloca às empresas uma oportunidade para ponderar acerca dos benefícios que a produção e consumo de energia solar podem trazer para os negócios.

Advertisement

Para encarar a crise climática, os governos, os reguladores e as empresas do setor energético reconhecem a necessidade de criar um enquadramento regulatório que permita acelerar o processo de descarbonização, alicerçado por exemplo em metas ambiciosas, definidas em acordos internacionais. Além da União Europeia, mais de 191 nações celebraram em 2015 o Acordo de Paris, que estabeleceu então o objetivo de limitar o aumento da temperatura a 2ºC e de garantir um balanço neutro entre a emissão e a remoção de gases com efeito de estufa até 2050. A menos de 30 anos da meta, legisladores, empresas e indivíduos encaram a necessidade de aumentar o ritmo dos processos de descarbonização de toda a economia mundial.

Sendo o sector energético responsável por mais de 75% das emissões de gases de efeitos de estufa na União Europeia, este terá que assumir um papel mais ativo na adoção mais plena da energia renovável, na eletrificação da economia e na oferta de soluções que permitam que as famílias e empresas possam consumir energia de forma mais sustentável e até a possam produzir.

É nesta onda de urgência que o solar se tem afirmado como uma solução para alcançar a descarbonização. Dados da Agência Internacional de Energia dão a conhecer que será necessário garantir uma capacidade de produção na ordem dos 600GW por ano até 2030 para alcançar a neutralidade até 2050, o equivalente a instalar o maior parque solar existente todos os dias. Em 2026 a implementação de energias renováveis deve expandir cerca de 60%. Para já as perspetivas são positivas! O ano de 2021 fechou com um novo recorde de produção de energia solar, mais 701 MW do que no ano anterior.

Além da autonomia, há pelo menos outras duas grandes vantagens com relevante interesse para as empresas. Por um lado, o impacto positivo no ambiente e, por outro, a poupança. As soluções de solar para autoconsumo, ao reduzirem a dependência do consumo da rede geram poupanças, em média entre os 20% e 40% para as empresas portuguesas, um número que pode ser ainda mais interessante se forem incluídas baterias no serviço escolhido.

Contando com o apoio e experiência de empresas como a EDP comercial que já instalou milhares deste tipo de sistemas em Portugal, tanto no mercado empresarial como particular, a produção de energia solar destaca-se por se mostrar uma das ofertas mais completas, apresentando um serviço chave-na-mão: desde o desenvolvimento e avaliação iniciais à instalação e garantia de monitorização e manutenção dos equipamentos.

A EDP já realizou projetos deste género com mais de 2400 empresas, não só na Península Ibérica, mas também em Itália, Polónia, Brasil e Estados Unidos. Ao todo, clientes de solar da EDP no mundo (contratados e instalados) produzem ou vão produzir o equivalente ao consumo de mais de 185 mil famílias e evitar a emissão de 170.000 toneladas de CO2, o equivalente a mais de 7.000 árvores.

Exemplo disso mesmo foi a instalação de uma central fotovoltaica (924 painéis) com 250 KWp contratada pela Nova School of Business and Economics de Carcavelos. Esta cobertura do complexo irá representar uma poupança anual na ordem dos 42 mil euros. A Nova SBE deverá reaver o investimento de 220 mil euros num prazo máximo de cinco anos, passando a gerar apenas poupanças a partir desse momento.

No caso específico da EDP Comercial, este prestador encarrega-se da fase inicial, que envolve o desenvolvimento da solução ideal e do projeto de engenharia necessário. Além disso, garante a validação dos pressupostos técnicos e o fornecimento e instalação dos painéis fotovoltaicos, e da respetiva certificação e registo com as entidades competentes.

No decorrer do contrato, a monitorização pode ser feita pelo cliente através do sistema de gestão de consumos e de dispositivos inteligentes que permitem uma análise integrada, detalhada e em tempo real, da produção da central fotovoltaica e dos consumos da empresa. Esta análise permite conhecer as suas necessidades e preferências, através da identificação de potencial de otimização de consumos, com a possibilidade de extração de relatórios com a informação necessária. Permite, ainda, o controlo de desempenho através da comparação de diversas instalações, perceber se os consumos se encontram dentro dos valores esperados, como evoluíram face a períodos anteriores e ser alertado, caso ocorra alguma incidência. É também possível prever os consumos futuros e simular poupanças com diferentes soluções.

Este investimento em soluções sustentáveis tem-se provado valioso com o passar dos anos, independentemente da escala à qual essas soluções respondem.

Tal como em qualquer contrato de fornecimento de energia, há diferentes modalidades de contratação possíveis, ajustáveis às necessidades de cada negócio. Colocam-se em cima da mesa três formas diferentes de usufruir destes contratos: através de um investimento inicial total pago a pronto pagamento ou a prestações, através de uma mensalidade fixa, ou através da modalidade pay-as-produced, uma mensalidade que varia consoante a produção da central fotovoltaica, dada a volatilidade dos preços de mercado da energia esta modalidade torna-se cada vez mais aliciante e demonstra uma maior vertente de inovação e de respostas às circunstâncias atuais de mercado.

Quer saber quanto pode poupar? É possível! Pode simular todos estes cenários em conjunto com a EDP Comercial, quer por simulação no site quer por contacto direto com especialistas, para calcular a poupança que é possível alcançar, ajustada às realidades e às exigências de consumo de cada empresa. Faça a simulação aqui!

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a EDP.

Recomendadas

À beira dos 100 anos de vida, Disney está prestes a perder os direitos sobre o Mickey

Os direitos de autor sobre a personagens estão quase a expirar e vão passar para domínio público, como consequência da lei dos Estados Unidos.

Jogos Olímpicos 2024. Empresa portuguesa recebe cinco milhões para construção arquitetónica

O contrato está inserido numa operação de 136 milhões de euros e visa a construção da Arena Porte de la Chapelle, que vai servir de palco para os Jogos de 2024.

MP pede ao Tribunal da Concorrência para manter coima de 48 milhões à EDP e empresa pede absolvição

O Ministério Público pediu hoje ao Tribunal da Concorrência para manter a coima de 48 milhões de euros aplicada à EDP Produção por abuso de posição dominante, tendo a empresa defendido a absolvição “pura e simples”.
Comentários