Energia Unida e Grupo Casais celebram acordo de parceria para Comunidades de Energia

“A parceria parte da vontade comum de contribuírem para a aceleração da transição energética e para a sustentabilidade do setor imobiliário que, atualmente, é simultaneamente um dos principais setores responsáveis por emissões de CO2 e que mais é impactado com a crise energética e os elevados preços da eletricidade”, adianta a empresa liderada por José Queirós de Almeida.

Mais uma parceira da Energia Unida para criar Comunidades de Energia. Desta vez a empresa da GreenVolt celebrou um acordo de parceria com o grupo de construção Casais.

“A Energia Unida, empresa do Grupo GreenVolt, líder em soluções de Comunidades de Energia em Portugal, assinou um acordo de parceria com o Grupo Casais, um dos maiores do setor da construção em Portugal, que prevê a criação de Comunidades de Energia em projetos de desenvolvimento conjunto, combinando recursos e otimizando sinergias, fruto da liderança de cada uma das empresas no seu setor de atividade”, lê-se no comunicado.

“A parceria parte da vontade comum de contribuírem para a aceleração da transição energética e para a sustentabilidade do setor imobiliário que, atualmente, é simultaneamente um dos principais setores responsáveis por emissões de CO2 e que mais é impactado com a crise energética e os elevados preços da eletricidade”, adianta a empresa liderada por José Queirós de Almeida.

Recorde-se que a Energia Unida iniciou atividade no início deste ano “com a missão de criar e gerir comunidades em que as famílias e empresas partilham energia: mais limpa, mais barata e para todos”.

Além da redução da pegada carbónica, as Comunidades de Energia Renovável permitem a partilha de energia entre Produtores e Consumidores até um raio de, em média, quatro quilómetros, que resulta numa importante redução do custo da energia para todos. A poupança varia entre os 20% e os 30%, garante a Energia Unida.

A Energia Unida tem em implementação de 10 projetos, correspondendo a cerca de 3,5 MW (megawatts), de norte a sul do país, em diferentes setores como indústria, serviços, agroalimentar e turismo. Prevê instalar mais de 10 MWp este ano, com um investimento associado de cerca de sete milhões de euros. “Esta capacidade instalada corresponde à produção de 15.691 MWh/ano, energia suficiente para fornecer 5.230 famílias e evitar a emissão de 4.164 toneladas de CO2 para a atmosfera”, refere a Energia Unida.

José Queirós de Almeida, CEO da Energia Unida, refere, sobre esta parceria, que “admiramos o Grupo Casais pelo compromisso com a inovação e sustentabilidade e conjuntamente vamos contribuir para acelerar os benefícios da transição energética”.

“A Comissão Europeia revelou o pacote energético REpowerEU onde estabelece o objetivo de 740GW de solar até 2030, bem como a obrigação de instalação de painéis solares em telhados de edifícios comerciais, públicos e nos residenciais e as Comunidades de Energia são a forma mais eficiente e efetiva de o fazer”, acrescenta o CEO da Energia Unida.

“O Grupo Casais tem, do seu lado, todo o know-how acumulado durante décadas no setor da construção, enquanto a Energia Unida contribuirá para o sucesso desta parceria com a sua proposta de valor diferenciadora no setor energético”, refere a empresa.

Por sua vez, “o Grupo Casais pretende construir edifícios saudáveis, confortáveis e que tenham racionalidade económica”, garante em comunicado José Mário da Cunha Fernandes, Administrador do Grupo Casais.

“Obviamente que a energia entra sobretudo nesta parte da racionalidade económica, mas também numa consciência ecológica que hoje todos temos que ter, acima de tudo nós indústria dos edifícios que estamos na frente da produção dos mesmos. Temos consciência que sozinhos não conseguimos fazer tudo. As parcerias são fundamentais quando conseguimos aumentar o know-how e ainda por cima partilhado”, acrescenta José Mário da Cunha Fernandes.

A construtora Casais foi criada em 1958 e é hoje, uma das maiores empresas do setor da construção em Portugal, mantendo o cariz familiar. Em 1994, iniciou o processo de internacionalização, na Alemanha, operando atualmente em 17 países. Para além da Engenharia e Construção, o Grupo está presente nos setores das Especialidades e Indústria e Promoção e Gestão de Ativos. Fechou o ano de 2021 com um volume de negócios agregado de mais de 527 milhões de euros, sendo os mercados internacionais responsáveis por 293 milhões.

 

Recomendadas

Julius Baer torna unidade de mercados independente

A Julius Baer Group, que em Espanha tem portugueses na equipa de gestão, está a criar uma divisão de mercados autónoma e para dirigir essa unidade escolheu Luigi Vignola.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.

ANJE com concessionária Norscut e Egis escolhem quatro propostas para melhorar autoestrada A24

O valor do prémio em concurso era de 30 mil euros, sendo atribuídos dois prémios por categoria – o valor do 1.º prémio era de 10 mil euros e do 2.º prémio de 5 mil euros.
Comentários