Energias renováveis nos transportes representam 9,1% na União Europeia

Em Portugal, o valor é mais reduzido, na ordem dos 8,6%. A evolução fica aquém da meta da UE para 2030, fixada em 14%.

As energias renováveis utilizadas nos transportes representaram 9,1% do total da União Europeia (UE) em 2021, o que representa um decréscimo na ordem de 1,2 pontos percentuais (p.p.) face da 2020. Os números continuam distantes da meta de 14% determinada pela diretiva da União para o ano de 2030, segundo reporta o Eurostat.

Deste modo, em 2021, a quantidade relativa de energias renováveis utilizadas nos transportes, em toda a UE, ficou 0,9 p.p. abaixo da meta definida para 2020 (10%).

Ainda que tenha aumentado, em termos absolutos, a quantidade de energia renovável dispendida, nos valores relativos observou-se uma redução. Isto porque existiu também um aumento no gasto de combustíveis fósseis, num ano em que foram levantadas grande parte das restrições que foram impostas no âmbito da pandemia.

Portugal ficou abaixo do valor médio da UE, tendo registado 8,6% de energias renováveis em 2021 (9,7% no ano anterior). O registo mais elevado pertence à Suécia (30,4%, bem acima da meta para 2030). Finlândia e Noruega são os outros países acima dos 14%. Em sentido inverso ficaram a Irlanda e a Grécia (ambas com 4,3%).

Recomendadas

Cerca de 3,6 mil milhões de pessoas estão vulneráveis ao aquecimento global

Se a situação não for invertida, em 20 anos ultrapassaremos os 1,5 ºC, o que provocaria a subida do nível do mar, mais chuvas e secas extremas, ondas de calor e temperaturas extremas.

Governo realiza audição pública de propostas das zonas para energia renovável offshore

A audição é aberta a todos os cidadãos, organizações, entidades, municípios que queiram apresentar sugestões.

Clima: Extremos ocorridos na Amazónia afetam diretamente o Tibete

As alterações climáticas na bacia da Amazónia têm repercussões no planalto tibetano, situado a 20 mil quilómetros de distância, garantem cientistas chineses, europeus e israelitas, em artigo divulgado na revista Nature Climate Change, no início do mês.
Comentários