Enfermagem. Sindicato diz que decreto-lei “agrava injustiças” na carreira

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) afirmou esta terça-feira que o decreto-lei recentemente publicado pela tutela “agrava” as situações de “injustiça” na carreira, ao não contabilizar os pontos detidos pelos enfermeiros promovidos a especialistas por concurso entre 2005 e 2011.

Numa conferência de imprensa na delegação do SEP no Porto, a sindicalista Fátima Monteiro afirmou que com a entrada em vigor do decreto-lei 80-B/2022, “um enfermeiro especialista com 20 anos de profissão aufere menos que um colega que tenha especialidade há 10 ou cinco anos”.

“Os colegas estão contra a falta de contagem dos seus pontos para efeitos de progressão e que levam a inversão de posições remuneratórias”, referiu Fátima Monteiro.

Para o sindicato, o decreto-lei “fica aquém das necessidades porque inadmissivelmente o Governo se recusa a pagar retroativos a 2018, ignora a experiência profissional de muitos colegas com contratos de trabalho e não resolve todas as situações de injustiça relativa”.

Também presente na conferência de imprensa, o enfermeiro especialista Sérgio Ricardo, esclareceu que por via deste decreto-lei a “contabilização dos pontos é feita desde a última progressão [na carreira]”, não contabilizando os pontos referentes a 2004, data em que os especialistas foram submetidos a concurso.

“Os enfermeiros que entraram em 2004 ou antes veem os seus pontos contados até à presente data, enquanto os enfermeiros especialistas só veem esses pontos contados a partir de 2007”, disse, acrescentando que se não tivesse competências de especialização estaria “numa posição remuneratória superior” aquela em que se encontra neste momento.

“Estamos a falar de um grupo de 2.000 enfermeiros que têm uma inversão remuneratória em relação a outros colegas”, afirmou.

Para “dar visibilidade ao descontentamento” dos enfermeiros especialistas o SEP convocou uma greve para 07 de fevereiro, a realizar-se nas imediações do Hospital de São João, no Porto, onde a direção executiva do Sistema Nacional de Saúde (SNS) tem “as instalações provisórias”.

“Não é por acaso que se escolheu o [hospital de] São João. A direção executiva do SNS tem lá as instalações provisórias e iremos denunciar a situação e exigir solução por parte do ministério”, afirmou Fátima Monteiro, adiantando que a concentração se deverá realizar pelas 10:30.

Recomendadas

Sindicato dos Médicos da Zona Sul exige demissão da administração do Amadora-Sintra

Num comunicado enviado à imprensa, o sindicato diz que “mais de dois meses após a demissão dos chefes e subchefes de equipa do Serviço de Urgência do Hospital Amadora-Sintra (HFF), o Conselho de Administração ainda não implementou nenhuma das medidas”, como o reforço das equipas de urgência, a disponibilização de consultas diárias no HFF para doentes não urgentes e a contratualização de mais camas de tipologia social.

Toxicodependência. Marcelo pede “soluções mais consensuais”

O Presidente da República defendeu hoje que se encontrem “as soluções mais consensuais possíveis” para resolver o problema da toxicodependência no Porto, dizendo que esta matéria tem de ser acompanhada com “serenidade”, “bom senso” e “conhecimento da realidade”.

Portugal acolhe escritório da OMS dedicado ao empreendedorismo (com áudio)

Vocação inovadora do país e índice de digitalização do SNS contribuíram para a escolha, segundo adianta o Ministério da Saúde. O novo escritório ficará sediado no Porto.
Comentários