Entradas gratuitas no Museu de História Natural do Funchal mantêm-se por mais seis meses

A medida enquadra-se na estratégia municipal de politica cultural do Município, “promovendo a ciência e a cultura” naquele espaço, que recebeu no ano passado mais de 13 mil visitantes, daí, justifica Pedro Calado “vamos manter o acesso gratuito no primeiro semestre deste ano, promovendo mais eventos, de modo a incentivar a que mais pessoas visitem o museu”.

A Câmara Municipal do Funchal (CMF) deliberou, esta quinta-feira, em reunião semanal, prorrogar por mais seis meses as entradas gratuitas no Museu de História Natural do Funchal.

A medida enquadra-se na estratégia municipal de politica cultural do Município, “promovendo a ciência e a cultura” naquele espaço, que recebeu no ano passado mais de 13 mil visitantes, daí, justifica Pedro Calado “vamos manter o acesso gratuito no primeiro semestre deste ano, promovendo mais eventos, de modo a incentivar a que mais pessoas visitem o museu”.

O autarca, revelou que o Museu de História Natural do Funchal (MHNF), o mais antigo Museu em funcionamento no Arquipélago da Madeira, instalado no Palácio de São Pedro, no Funchal, foi alvo de uma recuperação recente, estando neste momento em curso uma intervenção com vista a um projeto de ciência “muito educativo” para as crianças.

O Museu de História Natural do Funchal dá a conhecer a fauna, flora e geologia da Madeira, através de uma exposição de exemplares montados, exposições temporárias, além de um jardim de plantas aromáticas.

O presidente da Câmara anunciou ainda que o Centro Integrado de Gestão Municipal (CIGMA), situado em Santa Rita, freguesia de São Martinho, será inaugurado no próximo mês de fevereiro.

A base do concurso para a realização da obra foi na ordem de 1,2 milhões de euros, contudo, devido à inflação que se verificou no ano passado, “foi pedido legalmente” a revisão de preços, tendo sido aprovado, hoje, um acréscimo no valor de 180 mil euros.

Recomendadas

Presidente da Câmara do Funchal alerta para importância de adaptação do consumo aos recursos financeiros

O presidente da autarquia do Funchal disse que os consumidores devem “consumam bem e adequadamente” e de “forma regrada”.

Saiba aqui quais os principais constrangimentos dos consumidores madeirenses e o que reivindicam para 2023

Os consumidores reivindicam a atribuição do subsídio de mobilidade no ato da compra da passagem aérea entre o continente e a Região Autónoma da Madeira. Ou seja, que entre em pleno vigor o já estabelecido na Lei.

A indignação e preocupação dos portugueses

Todos os dias nos confrontamos com um brutal aumento dos produtos alimentares; com o aumento da energia; com o aumento dos juros do empréstimo para a habitação; o aumento das portagens e transportes; e com uma larga percentagem de salários precários (ou mesmo acima da média) que não conseguem corresponder a estes aumentos.
Comentários