Entre a poesia e a matemática

Sem uma maior orientação orçamental para ajudar as empresas a criar riqueza, nunca será possível sustentar políticas redistributivas generosas e continuaremos a orçamentar a distribuição da escassez.

O Orçamento do Estado (OE) para o próximo exercício flutua entre a poesia, com versos afinados para os votantes dos partidos que suportam o Governo, e a rigorosa matemática imposta por Bruxelas. Poesia é também a referência aos princípios que supostamente inspiram este OE, incluindo o apoio à transição digital e o combate ao declínio demográfico, que depois se limitam a tímidas execuções.

Para os conseguir materializar de forma mais substancial, seria preciso abordar reformas estruturais da despesa do Estado, aumentando a sua produtividade e diminuindo o gigantismo de muitos serviços com relevância decrescente, que nenhum partido com aspirações de governo se atreve a empreender. Por isso, continua a haver demasiado presente e pouco futuro neste OE.

Sem uma narrativa sustentada e poderosa para o futuro do país, qualquer orçamento público acaba por ser um exercício circunstancial em que cada um de nós avalia o impacto que essa folha de cálculo terá no bolso em vez de aferir a coerência com essa visão. Nesse sentido, é dececionante, num contexto tão favorável como o atual, que não se impulsionem medidas mais contundentes de simplificação ou alívio da carga fiscal sobre pessoas e empresas.

A sociedade respira melhor quando cada um triunfa em função dos seus méritos e o Estado está presente nos momentos duros da vida. Mas este OE continua a drenar recursos à iniciativa privada que não se traduzem em planos de crescimento, aumento da competitividade ou da produtividade que permitam abordar sustentadamente a diminuição da dívida.

No lado mais positivo, começo por congratular-me pelo facto do Governo conseguir orquestrar um orçamento com altas probabilidades de aprovação parlamentar, o que não acontece atualmente noutros muitos países, incluindo a vizinha Espanha. Adicionalmente, os pressupostos macroeconómicos parecem atingíveis, embora o crescimento do PIB seja de menor qualidade pela queda da produção industrial e pelo aumento do consumo. Por isso, seriam desejáveis mais medidas de apoio à exportação, nomeadamente para as PME. O equilíbrio das contas públicas é também positivo, embora esteja facilitado por um cenário de juros baixos dificilmente sustentável por muito mais tempo.

No âmbito social, o reforço do investimento na saúde e noutros serviços essenciais é incontornável, mas infelizmente não se vê compensado por nenhum esforço de reestruturação de outras despesas menos necessárias. Sem uma maior orientação orçamental para ajudar as empresas a criar riqueza, nunca será possível sustentar políticas redistributivas generosas e continuaremos a orçamentar a distribuição da escassez em vez da abundância.

Recomendadas

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.

Precisamos de notícias positivas

Os gestores têm de pensar se querem mais dívida dentro das empresas quando se espera uma redução da atividade económica no próximo ano
Comentários