PremiumEntre Paris e Manhufe: Amadeo numa nova tela

Amadeo de Souza-Cardoso, o homem que queria pintar o futuro mas cuja obra acabou engolida pelo silêncio, chega agora ao grande ecrã pela lente do realizador português Vicente Alves do Ó. É a celebração da inquietação e frustração artística, nos cinemas a 26 de janeiro.

Foram quase três anos na gaveta, mas Amadeo, a terceira e última biopic do realizador português Vicente Alves do Ó, chega finalmente às salas de cinema antes do fim do mês. Tal como o pintor modernista que retrata e celebra, a película e, por arrasto, o sector cultural e artístico viram-se assombrados por uma pandemia à escala global. Ao Jornal Económico, à margem da anteestreia, Alves do Ó chama-lhe “um duro golpe”, ao qual se soma uma crónica e muito criticada subdotação orçamental. Mas viemos aqui pela arte, não pelas contas.

A ideia de explorar em filme um dos primeiros e mais enigmáticos modernistas portugueses surgiu ao realizador “de uma forma muito simples e tranquila”, conta ao JE. No Porto, a escassos quilómetros das origens abastadas de Souza-Cardoso, em Manhufe, concelho de Amarante, Vicente Alves do Ó passava uns dias de férias e, num dia de chuva forte, refugiou-se no Museu Soares dos Reis. Saiu de lá com um filme por escrever. Férias, dizia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fundação Calouste Gulbenkian apoia projetos de criação artística

Estão abertas, até 31 de março, as candidaturas a apoios da Gulbenkian para projetos de criação artística. Artes Performativas, Artes Visuais e Cinema são as áreas contempladas.

“Um caroço de abacate” eleito melhor filme queer em Clermont-Ferrand

A curta-metragem portuguesa “Um caroço de abacate”, realizada por Ary Zara, venceu hoje o prémio de melhor filme queer do Festival Internacional de Curta-Metragem de Clermont-Ferrand (França), anunciou hoje a organização.

“Re Search TEX REX”: a reutilização têxtil como ponto de partida da exposição de Ana Baleia

A Galeria PLATO, em Évora, apresenta o trabalho desenvolvido pela designer e artista têxtil Ana Baleia no âmbito do ‘upcycling’ têxtil. A arte ao serviço da mitigação dos resíduos têxteis. Um caminho em prol do futuro.
Comentários