Envie um cartão de boas festas solidário e ajude a sua instituição preferida

O projeto Votos Felizes, que vai já na sua 4ª edição, é uma iniciativa que pretende contribuir com um donativo para oito instituições, que poderão receber 14.500 euros cada. A instituição mais votada poderá aceder a um bónus de 4 mil euros.

O projeto Votos Felizes, que vai já na sua 4ª edição, é uma iniciativa que pretende contribuir com um donativo para algumas das instituições que mais precisam – de norte a sul do país e que representam causas diferentes, principalmente nos tempos atípicos que vivemos.

São oito instituições escolhidas pela Entreajuda, entidade que conhece profundamente o setor social em Portugal, parceira pelo segundo ano consecutivo nesta Campanha de Natal.

O objetivo é alcançar o valor de 120 mil euros, logo cada uma das oito instituições poderá receber 14.500 euros e a instituição mais votada poderá aceder a um bónus de 4 mil euros.

E como é que se pode votar?

Basta ir ao site VOTOSFELIZES.PT e selecionar a instituição em que deseja votar. Depois de clicar na instituição escolhida os votos tornam-se num cartão de boas festas, que pode ser partilhado com sua família e amigos nas redes sociais, criando uma rede solidária.

Cada voto efetuado terá o valor de 2 euros, que o Grupo Os Mosqueteiros entregará à instituição escolhida por si.

Saiba mais Aqui

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários