Eólica. Produção supera consumo pela primeira vez

Vento forte registado durante esta noite associado a consumos baixos permitiu momento histórico nos registos de eletricidade em Portugal

A produção eólica atingiu esta madrugada um novo máximo em Portugal, de 4.210 Megawatt (MW), tendo pela primeira vez ultrapassado o consumo nacional de eletricidade, segundo dados da REN — Redes Elétricas Nacionais.

O vento forte registado durante esta noite, que levou a um novo máximo na produção eólica, associado a consumos baixos, levou a que pela primeira vez a produção eólica tivesse ultrapassado o consumo nacional.

De acordo com os dados da gestora da rede elétrica, o novo máximo na produção, de 4.210 MW, foi atingido às 2h15, ultrapassando em cerca de 80 MW o anterior máximo ocorrido em janeiro deste ano.

Entre as 2h00 e as 5h30, a produção eólica foi sempre superior ao consumo com uma diferença que atingiu um máximo de 148 MW às 04:15, quando a produção eólica se situava em 4.101 MW e o consumo era de apenas 3.953 MW.

Segundo dados da Direção Geral de Energia e Geologia, Portugal tem 4.953MW de potência eólica instalada, sendo a segunda energia renovável mais importante no sistema elétrico nacional, depois da hídrica com 5.791MW de potência instalada.

OJE

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.