Epidemia de cólera ataca no Iraque

As autoridades iraquianas lançaram uma série de medidas sanitárias na tentativa de conter uma epidemia de cólera, que matou, pelo menos já, seis pessoas na periferia oeste da capital Bagdade. No grupo das medidas ordenadas pelo executivo liderado por Haider al Abadi está a realização de testes diários à qualidade da água e a distribuição […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

As autoridades iraquianas lançaram uma série de medidas sanitárias na tentativa de conter uma epidemia de cólera, que matou, pelo menos já, seis pessoas na periferia oeste da capital Bagdade.

No grupo das medidas ordenadas pelo executivo liderado por Haider al Abadi está a realização de testes diários à qualidade da água e a distribuição de água engarrafada por milhares de famílias.

O foco de cólera surgiu na cidade de Abu Ghraib, que dá nome à maior prisão do país, cerca de 25 km a oeste da capital, tendo infetado já cerca de 75 pessoas, incluindo os seis mortos, avança o jornal espanhol El Pais, citando fonte médica.

Esta não é a primeira vez que a cólera atinge o Iraque na história recente: em 2012, 300 pessoas foram infectadas na região de Kirkuk, norte do país e cinco anos antes, um outro foco tinhas matado pelo menos 24 pessoas e afetado mais de 4.000.

Os sistemas de abastecimento de água e de esgotos iraquianos estão totalmente deteriorados por duas décadas e meia de guerras.

Ainda segundo o jornal espanhol, Haider al Abadi disse que o Iraque iria trabalhar em cooperação com o Crescente Vermelho e a UNICEF na implementação de estações de tratamento adicionais em Abu Ghraib.

OJE

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.