Ericsson é investigada por escândalo de corrupção no Iraque

A empresa diz que está a “cooperar totalmente” e que “é muito cedo para determinar ou prever o resultado”.

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) iniciou uma investigação sobre a forma como a Ericsson lidou com um escândalo de corrupção no Iraque, segundo a “Bloomberg”.

A SEC “abriu uma investigação sobre os assuntos descritos no relatório de investigação da empresa sobre Iraque de 2019”, disse a Ericsson em comunicado. A empresa acrescentou que está a “cooperar totalmente” e que “é muito cedo para determinar ou prever o resultado”.

A Ericsson está no olho da tempestade devido à má gestão das operações no Iraque. Em março, o Departamento de Justiça dos EUA disse que a Ericsson não fez as divulgações adequadas sobre as operações no Iraque. Entretanto, a empresa admitiu que pode ter pago à organização terrorista ISIS para obter acesso a rotas de transporte, algo que remonta a 2011.

Analistas do Svenska Handelsbanken referem que a empresa pode enfrentar multas que podem variar entre os 100 milhões de dólares e os 300 milhões de dólares quando as investigações dos EUA forem resolvidas. A notícia da investigação da SEC “é obviamente negativa para a ação, mas não deve ser uma grande surpresa para o mercado”, disse Daniel Djurberg analista.

 

 

Recomendadas

SATA prevê saída de 150 trabalhadores até final de 2023 através de rescisões negociadas

Cerca de 100 trabalhadores já saíram da companhia aérea açoriana SATA desde que foi lançado o primeiro programa de rescisões, em 2020.

Empresas TVDE criaram mais de sete mil empregos em seis anos

Entre 2013, ano anterior ao lançamento da operação da Uber em Portugal, e 2019, o número de empresas no sector (plataformas de transportes de passageiros) cresceu 71%.

Há 45 anos foi vendida a primeira Coca-Cola em Portugal

Foi a 4 de julho de 1977, num café na Baixa de Lisboa. “Não só faz parte da história do país como contribui ativamente para a economia nacional. Por cada euro que é gasto em Coca-Cola, 81 cêntimos permanecem em Portugal”, diz Rui Serpa, diretor em Portugal da Coca-Cola Europacific Partners.
Comentários