ERSE anuncia que preço da eletricidade desce 3,5% em 2019

A expressão nos orçamentos familiares da redução subjacente às tarifas transitórias de venda a clientes finais para 2019 é de 1,58 euros, numa fatura média mensal de 45,1 euros.

Denis Balibouse/Reuters

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) acaba de anunciar o valor das tarifas transitórias para 2019, para as quais calcula uma descida de 3,5% para os consumidores domésticos.   A descida vai abranger cerca de 6% da totalidade de consumidores.

“Para os consumidores que ainda estejam no mercado regulado (ou equiparado), cerca  de 6% do consumo total, a variação das tarifas de venda a clientes finais em BTN (Baixa Tensão Normal) será de -3,5%”, diz o regulador.

Os preços da eletricidade para as famílias que ainda estão em mercado regulado descem assim pelo segundo ano consecutivo, depois de a ERSE ter revisto a proposta feita em outubro, que previa uma subida das tarifas de 0,1%.

Os consumidores com tarifa social beneficiarão de um desconto de 33,8% sobre as tarifas de venda a clientes finais, de acordo com o estabelecido por despacho do membro do Governo responsável pela área da energia, realça ainda o comunicado.

Para os consumidores com tarifas sociais de venda a clientes finais, prevê-se uma redução na fatura média mensal de eletricidade de 13,67 euros, para uma fatura média mensal de 26,8 euros, valor que já integra a aplicação de um desconto social mensal de 13,67 euros.

“Para 2019, todas as tarifas de Acesso às Redes observam uma redução de dois dígitos, que é de  é de
– 16,7% para a Baixa Tensão Normal (BTN) e de -10,6% para os restantes níveis de tensão”, diz a ERSE.

O impacte concreto das variações tarifárias na fatura dos clientes depende do respetivo segmento de consumo. “A expressão nos orçamentos familiares da redução subjacente às tarifas transitórias de venda a clientes finais para 2019 é de 1,58 euros, numa fatura média mensal de 45,1 euros”, refere o regulador.

 

(atualizada)

Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários