Ervideira registou crescimento de 25% na faturação em 2021

Os responsáveis da casa vitivinícola do Alentejo acreditam que 2022 será um ano de recuperação do sector e aposta no reforço do enoturismo, estando preparados para receber mais de 30 mil turistas durante o presente ano.

A Ervideira, produtor vitivinícola do Alentejo, fechou o ano passado com a faturação a subir 25% face ao exercício precedente e com resultados líquidos de 10%, adianta um comunicado da empresa, sem referir valores absolutos.

“Num 2021 desafiante, em que o mercado esteve fechado cerca de três meses e meio, a Ervideira terminou o ano com resultados positivos: a faturação subiu 25% em relação a 2020, e resultados líquidos de 10%”, garante o referido comunicado.

De acordo com os responsáveis da Ervideira, “trata-se de uma evolução positiva dos resultados obtidos no ano anterior, quando a Ervideira registou uma quebra forte de faturação em 2020, na ordem dos 35%, mas mesmo assim com 10% de resultado líquido, em relação à faturação (…)”.

“2022 é, para nós, um ano prometedor e estamos confiantes de que será o ano da recuperação. A nossa estratégia vai passar por continuar a investir, em inovar, com foco na qualidade dos nossos produtos e na solidez das nossas parcerias. O nosso objetivo passa por, pelo menos, recuperar os resultados de 2019, aquele que foi o melhor ano da história recente”, afirma Duarte Leal da Costa, diretor executivo da Ervideira.

Duarte Leal da Costa comenta ainda que “as vacinas tiveram um efeito positivo no consumo e na dinâmica de muitos sectores em que o vinho marca presença, com 2021 a encurtar a sua distância para aquilo que seria a normalidade”.

“Acreditamos que em 2022 será dado mais um passo nesse sentido, de forma a que todas as empresas possam continuar a almejar resultados que permitam continuar a recuperar do enorme golpe que todos nós sentimos”, prevê este responsável.

A casa produtora de vinho assinala que, “desde o início da pandemia que a Ervideira tem reforçado a sua estratégia de negócio e diversificação de produtos que disponibiliza para o mercado, como também pela forma como assumiu o seu papel de responsabilidade social, ao produzir e colocar no mercado o seu próprio álcool gel, extremamente eficaz, de forma a contribuir para o combate à pandemia”.

Os responsáveis da empresa referem ainda que “o enoturismo tem sido uma área de extrema importância para a Ervideira nos últimos anos, com um crescimento notório”.

“Acreditamos que os turistas nacionais e estrangeiros, estão cada vez mais interessados pelo mundo dos vinhos e com isso mais interessados em programas de enoturismo. Assim, estamos já preparados para no ano de 2022 receber mais de 30 mil turistas, num ambiente, calmo, bem organizado e onde as provas serão o ex-libris, podendo os turistas que visitam a Ervideira escolher que vinhos provar, entre os brancos, tintos, rosés, espumantes, licoroso ou colheita tardia”, conclui Duarte Leal da Costa.

Recorde-se que a Ervideira é uma das empresas vitivinícolas seculares em Portugal, produzindo vinho desde 1880.

Atualmente, possui um total de 110 hectares de vinha, distribuídos pelas sub-regiões da Vidigueira (60 ha) e Reguengos (50 ha).

Entre os seus vinhos, estão marcas como Conde D’Ervideira, Invisível, Vinha D’Ervideira, Terras D’Ervideira e Lusitano.

Recomendadas

Confederação do sector agrícola alerta ministra para os altos custos do gasóleo para a agricultura

“A questão da energia e em especial os custos do gasóleo para a agricultura, constituíram a parte fulcral da reunião tendo a Ministra informado a Confederação que estão em preparação novas medidas estruturais para os combustíveis”, refere a CONFAGRI.

Produção de cereais no distrito de Beja muito afetada pela seca em “ano mau”

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches (CABB), Fernando Rosário, reconheceu que este “foi um ano mau” para os cereais na área de influência da entidade, que abrange sobretudo os municípios alentejanos de Beja e Serpa.

“Se não houvesse estufas as pessoas não podiam comer vegetais frescos o ano todo”

Luís Mira, secretário-geral da CAP, traça um quadro de expectativa no sector agroflorestal em tempos de incerteza.
Comentários