PremiumEscalada dos juros soberanos ajuda a tirar 4% ao capital próprio da CGD

A Caixa apresentou resultados trimestrais a subirem 80,5%, para 146 milhões, mas o aumento do prémio de risco da dívida portuguesa face à alemã ajudou à degradação da situação líquida que foi de quase 4%.

Os capitais próprios da Caixa Geral de Depósitos (CGD) caíram, em termos consolidados, 3,9% num ano para 8,9 mil milhões.

Em parte por causa da distância entre as yields das Obrigações do Tesouro português face aos juros a 10 anos da dívida pública alemã, o chamado agravamento do prémio de risco. Os bancos podem usar instrumentos de cobertura (swaps) para a subida dos juros soberanos para mitigar o impacto nas contas do banco, mas não conseguem cobrir o agravamento da distância de juros portugueses face ao benchmark alemão, razão pela qual Paulo Macedo, CEO da CGD, reconheceu que o maior impacto negativo na situação líquida do banco vem do prémio de risco da dívida pública. “A Caixa não está totalmente exposta ao aumento das taxas de juros da dívida pública, uma vez que tem uma contabilidade de cobertura, mas está dependente do alargamento de spreads entre a Alemanha e Portugal (prémio de risco)”, disse o CEO do banco ao apresentar os resultados do trimestre.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Santander e Finantia são os dois bancos portugueses distinguidos pelos World Finance Banking Awards 2022

Já são conhecidos os resultados do World Finance Banking Awards 2022, prémios que distinguem os bancos com melhor desempenho em todo o mundo e há dois bancos portugueses premiados.

Lesados do Banif prometem “fazer prova de vida” após pagamento de empréstimo pela Oitante

“Nada sobrou (mais uma vez) para solucionar (ou sequer ajudar a solucionar) os lesados do Banif, que esperam há seis anos e meio por promessas sempre adiadas. Mas os lesados do Banif ainda não morreram e prometem fazer prova(s) de vida”, sustenta a associação em comunicado.

Arval e o BPI renovam parceria para promover o renting automóvel e a mobilidade sustentável

A Arval, empresa especialista a nível global em renting e gestão de frotas, e o BPI renovam o seu acordo até 2024, para disponibilizar um produto de aluguer operacional automóvel aos balcões do BPI.
Comentários