Escócia continua ‘open for business’

Com a decisão do Reino Unido de sair da UE, perguntam-me com frequência se a Escócia irá abandonar o Reino Unido. Para o meu Governo a questão não se coloca.

Sabia que o Reino Unido exporta 38 garrafas de whisky escocês por segundo? Sabia que quase 50% do consumo bruto de electricidade na Escócia provém de renováveis? Ou que o nível de qualificação na Escócia é o mais elevado da Europa?

Como alguns saberão, quando se fala da Escócia sou um pouco parcial. Nasci em Aberdeen, conhecida como a capital europeia da energia, mas a minha família é de Alloway, em Ayrshire, onde nasceu Robert Burns, o nosso poeta nacional.  Por isso, o  Dia de Santo André, que comemoramos a 30 de Novembro, é um evento particularmente importante e pessoal.

A Escócia não é só whisky, embora represente quase ¼ das exportações britânicas de bebidas e produtos alimentares; nem só Harris Tweed, a empresa têxtil que emprega 8.400 pessoas.  Tal como não se resume ao Loch Ness.  A economia escocesa moderna é uma economia global e – tal como o resto do Reino Unido – é dinâmica, criativa e está plenamente “open for business”.  A indústria petrolífera do Mar do Norte sustenta mais de 2.000 empresas na sua cadeia de abastecimento e tem operado em 137 países.

No entanto, a Escócia também possui uma enorme importância cultural e histórica. Tem cinco locais classificados como Património Mundial e a sua história não só contribui com 2,3 mil milhões de libras (cerca de 2,7 mil milhões de euros) para a economia, como suporta 60.000 empregos.  Dos seus mais de 200 festivais culturais, o Festival de Edimburgo tem servido de inspiração a festivais pelo mundo fora.

As indústrias criativas injectam por ano mais de 5 mil milhões de libras (cerca de 5,9 mil milhões de euros) na economia britânica. A indústria de jogos de computador tem ajudado a criar sucessos à escala global, tais como a série Grand Theft Auto. E as pequenas ilhas de Orkney são sede do segundo maior cluster de produção de joalharia do Reino Unido.

A Escócia possui igualmente uma indústria cinematográfica próspera, que conta com centenas de operadores e de empresas de produção ali sediados. Entre as grandes produções filmadas na Escócia incluem-se Skyfall (James Bond) e a série Outlander.  De referir ainda que as suas universidades são de classe mundial e que cinco delas integram o Top 200 – incluindo St. Andrew’s, onde o Príncipe William veio a conhecer a sua futura mulher, Kate Middleton.

Por estas e muitas outras razões, a Escócia tem sido um destino atractivo para investidores portugueses, principalmente nos sectores das telecomunicações e da energia, tais como a EDP, a Telcabo e a CJR Renewables.

Com a decisão do Reino Unido de sair da UE, perguntam-me com frequência se a Escócia irá abandonar o Reino Unido.  Para o meu Governo a questão não se coloca, sendo que a primeira-ministra Theresa May acredita fortemente nesta união, que definiu como um “vínculo precioso entre Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte”. Enquanto escocesa – uma entre o milhão de escoceses que vivem fora do país –, sinto-me orgulhosa por celebrar o Dia de Santo André, orgulhosa por ser escocesa e orgulhosa por ser britânica.

A autora escreve segundo a antiga ortografia.

Recomendadas

Os seis efeitos nas eleições de 2022 em Angola

O primeiro efeito é o fim da maioria qualificada do MPLA. O que significa que nenhum partido consegue per se realizar uma revisão da Constituição e que a UNITA passou a ter o poder de vetar qualquer projecto de alteração constitucional.

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.
Comentários