Escola Superior de Educação tem nova liderança

Paulo Morais-Alexandre, doutorado em História de Arte, até aqui pró-presidente para as Artes do Politécnico de Lisboa, vai conduzir os destinos da Escola Superior de Educação de Lisboa, até 2025.

Paulo Morais-Alexandre, doutorado em História de Arte, até aqui pró-presidente para as Artes do Politécnico de Lisboa, vai conduzir os destinos da Escola Superior de Educação de Lisboa, até 2025. Da sua equipa fazem parte: Carla Rocha e Cátia Rijo, vice-presidentes, e Dalila Lino e Jorge Bárrios, assessores.

O novo presidente, que foi eleito com um programa assente nas pessoas, nos serviços e na qualidade da escola, promete “unir a Escola e trabalhar no sentido de a melhorar, pensar o futuro e reposicionar a instituição”.

A Escola Superior de Educação de Lisboa na sua fórmula atual existe desde 1985, mas as suas raízes remontam à Escola Normal Primária de Lisboa, criada em 1862. É um estabelecimento icónico, tendo formado dezenas de gerações de professores.

A formação de professores é, aliás, um dos principais desafios que o país enfrenta devido ao envelhecimento do corpo docente. E Paulo Morais-Alexandre promete trabalhar com as entidades competentes para responder às necessidades de formação existentes.

Na cerimónia de passagem de testemunho, Elmano Margato, presidente do Politécnico de Lisboa, a cujo universo a Escola pertence, formulou votos que a nova equipa “saiba ouvir, ponderar e decidir com justiça, nomeadamente, no que diz respeito ao relacionamento com os estudantes”.

Recomendadas

CEO da Electronic IDentification: “Estivemos quase a desaparecer duas ou três vezes”

Iván Nabalón, fundador e CEO da Electronic IDentification, conta ao JE como quer aumentar os clientes digitais dos bancos e seguradoras.

Uberização do mercado das entregas deverá continuar a crescer

Empresas que trabalham para o sector da logística e transporte acreditam que a concorrência das plataformas digitais veio para ficar.

Jerónimo de Sousa lamenta que “rolo compressor” tenha garantido aprovação do Orçamento

“Foi para satisfazer a gula do grande capital e calar os avisos e as pressões vindas da União Europeia que o Governo, ontem [sexta-feira] mesmo, fez votar o seu Orçamento do Estado”, afirmou Jerónimo de Sousa, durante a sessão de encerramento da XII Assembleia da Organização Regional de Viseu do PCP.
Comentários