Escolas “obrigadas” a interromper férias dos professores para exames em agosto

A CGTP avança que as escolas foram obrigadas a interromper férias dos professores, porque, “sem se prever”, souberam apenas a 27 de julho que havia época de exames de 10 a 19 de agosto, destinada a alunos que tiveram Covid-19, ou estiveram em confinamento, ou com atestado médico para justificar a falta em época anterior.

A intersindical CGTP avançou hoje que as escolas foram obrigadas a interromper férias dos professores, porque, “sem se prever”, souberam apenas a 27 de julho que havia época de exames de 10 a 19 de agosto. Professores reclamam direito a indemnização pelos “prejuízos sofridos”, designadamente de despesas já efetuadas.

“O Júri Nacional de Exames (JNE) aprovou, em 26 de julho, que entre 10 e 19 de agosto teria lugar uma época de exames, destinada a alunos que tiveram Covid-19 ou estiveram em confinamento por motivo de Covid, ou ainda os que apresentaram atestado médico para justificar a falta em época anterior”.

Segundo a intersindical nacional, a informação desta decisão chegou às escolas no dia 27 de julho, ao final da manhã, sem que, diz, antes, fossem informadas dessa possibilidade.

“Esta decisão do JNE, impõe que os alunos passem a fazer exames onde se inscreveram, ao contrário do que aconteceu em anos anteriores, com os alunos a concentrarem-se em apenas algumas escolas”, acrescenta a CGTP, dando conta de que a existência de uma época especial não é novidade, designadamente para atletas de alta competição e para casos pontuais de doença, realizando-se em agosto. Uma situação em que os alunos estão concentrados numa determinada escola que já estava identificada e conhecia o calendário, podendo, portanto, planear o período de férias com os professores de que necessitava.

“Quanto a alunos que não realizaram, quando deveriam, os seus exames, já aconteceu no ano letivo passado, mas foram chamados para momento posterior ao do período de férias2, explica, realçando que “a forma como o JNE e o Ministério da Educação estão agora a agir, revela mais um profundo desrespeito pelas escolas e a sua organização, pelos docentes, cujas férias só poderão ser gozadas no mês de agosto, muitos ainda ao serviço ficam agora implicados nos processos de exames e na organização do próximo ano letivo, mas também por alunos e suas famílias que, em muitos casos, terão de interromper férias para a realização dos exames”.

Em relação aos docentes, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) lembra que, de acordo com o disposto no artigo 243.º do Código de Trabalho, que, neste caso se aplica, ao terem interrompidas férias já iniciadas por exigências imperiosas do funcionamento do serviço, têm direito a indemnização pelos prejuízos sofridos, designadamente de despesas já efetuadas.

Segundo esta federação sindical, a interrupção das férias, contudo, não pode impedir o gozo seguido de, pelo menos metade do período a que têm direito, constituindo, lembra, contraordenação do serviço de que dependem a violação destes direitos.

Recomendadas

Açores com 1,9 milhões de euros para compensar agricultores

Os agricultores com despesas em zonas “sujeitas a condicionantes naturais” serão compensados. O financiamento é atribuído no âmbito do programa PRORURAL.

Incêndios: Marcelo diz que medidas para os próximos dias são anunciadas 6.ª feira

O Presidente da República afirmou que na sexta-feira serão anunciadas as medidas para os próximos dias devido ao risco de incêndio.

Montenegro acusa Governo de fazer “batota política” com apoios sociais

O presidente do PSD, Luís Montenegro, acusou hoje o Governo de estar a fazer “batota política” com os valores dos apoios sociais diretos, alegando que no primeiro semestre do ano se resumiram a 180 milhões de euros.
Comentários